Abexim me confesso

Nós todos, homens, que neste mundo vivemos opressos pelos vários desprezos dos felizes e pelas diversas insolências dos poderosos - que somos todos nós neste mundo, senão abexins?
Fernando Pessoa, Outubro 1935

30.10.17

Não vou arregaçar as mangas!

Não vou arregaçar as mangas! Já ando com elas arregaçadas há demasiado tempo...
Agora que até a Igreja pede que chova é que o Presidente quer que arregacemos as mangas, o homem parece andar de candeias às avessas...
Não sei se a Igreja ainda organiza retiros, mas seria bom que o fizesse e convidasse o senhor Presidente, não para perorar, mas para meditar em silêncio...
No caso, talvez chovesse e eu me visse obrigado a arregaçar as calças.

Entretanto, parece que os revolucionários catalães já andam a tratar do estatuto de refugiados políticos em Bruxelas. Esses nem necessitaram de arregaçar as mangas... Em Bruxelas, quem diria! Ainda se fosse na Coreia do Norte!

29.10.17

E se o edifício do Liceu Camões vier abaixo...

O Diretor teme que as obras só tenham início em 2019. 
Eu temo que o OGE 2018 esqueça mais uma vez o edifício do Liceu Camões. Provavelmente, lá constará uma verba  de 350.000 euros para estudos e projetos!
Há quantos anos andamos em estudos e projetos? Quanto é que já foi gasto em estudos e projetos? Há sempre alguém a ganhar com este tipo de impasse!

E se, entretanto, o edifício vier abaixo com inevitáveis perdas?
Lá teremos a ladainha costumeira. De pouco servirá, então, apurar responsabilidades, indemnizar quem de direito...
A responsabilidade é de ontem, é de hoje. Espero que não venham a responsabilizar o arquiteto Ventura Terra, pois, ao contrário do que pensa o atual Presidente, a culpa não é do país, é do estado que não cuida do nosso património...

E se os governantes não estão à altura, o melhor é dispensá-los...

28.10.17

"Fraternidade" federal

Embora haja quem insista que é necessário defender a identidade cultural, a verdade é que a cultura sempre foi de quem dispõe de ócio bastante, vivendo à custa do trabalho alheio...
A cultura, por mais que se valorize a sua dimensão popular, é um feudo dos ricos, apesar de, ultimamente, muitos revelarem um grau elevado de ignorância...
Um homem culto acaba de defender que a Espanha deveria criar um estado federal de modo a estancar a vontade independentista - leia-se a vontade do patronato rico, da alta burguesia e de uma comunicação social ávida de sangue...
O povo, claro, também sai à rua. Mas esse, já se sabe, ama a festa da rua. Só mais tarde é que se apercebe que a sopa continua a ser a mesma, do lado de fora do castelo...
Esse homem culto esqueceu-se, no entanto, que a haver um estado federal na Península Ibérica, nem a identidade cultural nos salvaria da "fraternidade" federal...
Cada um sabe de si! Ou talvez não!
De facto, a vassalagem dos últimos dias a Castela parece-me excessiva...

27.10.17

Equânime / assossec

«Aguardo, equânime, o que não conheço -
Meu futuro e o de tudo.
No fim tudo será silêncio, salvo
Onde o mar banhar nada
Ricardo Reis

Uns estão eufóricos com a nova República da Catalunha, outros, tristes... Quantos? Não sei.
Uns estão eufóricos com o novo Estado Catalão, outros, tristes... Quantos? Não sei.

Só sei que a República proclama-se, e simbolicamente é expressão de atualidade.
Quanto ao novo Estado, será mais difícil construí-lo... e há por aí tantos Estados falhados, a começar pelo Português.
Afinal, no momento, o Estado Catalão é expressão de virtualidade...

Entretanto, surgiram dezenas de comentadores a apelar ao respeito pela Lei. Qual?
- No fim tudo será silêncio, salvo / Onde o mar banhar nada. 

26.10.17

Presentismo e absentismo

La expresión presentismo laboral, que define el hecho de pasar más horas en el lugar de trabajo de las exigidas por la jornada laboral, en muchos casos por temor a perder el empleo...


O número de baixas em Portugal é assustador, embora ninguém conheça a sua verdadeira dimensão... Porquê? 
Consta até que o Estado quer poupar 60 milhões de euros, em 2018, reduzindo significativamente o número de baixas fraudulentas. Mas como?
Por outro lado, há quem permaneça mais horas no local de trabalho do que as contratualizadas, mas  pouco ou nada fazendo. Não sei se por moto próprio se por decisão das chefias... Ou será por medo de perder o emprego?

De qualquer modo, gostaria de conhecer a verdadeira motivação de Jean P.

Um funcionário de um supermercado Lidl em Barcelona foi despedido por trabalhar horas... a mais. Jean P. foi dispensado por que entrava mais cedo ao serviço, para preparar a loja para a abertura, e violou as normas da companhia.
Segundo a investigação da empresa alemã, às vezes Jean chegava ao local uma hora antes do relógio de ponto acordar. "Fazia encomendas, mudavas preços, repunha prateleiras inteiras de artigos", lê-se na carta de despedimento a que o jornal "El País" faz referência.
Durante uns dias em abril deste ano, a empresa observou o comportamento de Jean. Através das imagens de videovigilância, concluiu que chegava à loja entre "49 a 87 minutos" antes da hora para trabalhar, sem registar o tempo de trabalho fora de horas.
Este comportamento é contrário à norma "cada minuto que se trabalha, paga-se e cada minuto trabalhado deve ser registado", argumenta a empresa na carta de despedimento, fundamentada em "incumprimentos laborais graves". Despedimento

Pelo que me diz respeito, vou passar estar mais atento à minha tendência para passar mais tempo no local de trabalho do que aquele a que legalmente estou obrigado e, sobretudo, vou começar a cronometrar o tempo que gasto em casa com a atividade profissional...

25.10.17

O piolho

Antigamente, havia quem procurasse deliberadamente o piolho, não porque não houvesse mais lugares na sala de cinema, mas porque lá certas liberdades eram toleradas...
Hoje, voltei a lembrar-me do piolho ao verificar que certos jovens avançam decididamente para a última fila da sala de aula...
Do que lá se passa, o melhor é não averiguar. 
Tal como outrora, estes jovens não gostam de ser incomodados e não sentem qualquer remorso se incomodarem os restantes...

24.10.17

Quão diferente seria...

O que me surpreende não é que o CDS apresente uma moção de censura ao Governo ou que Costa ande a dar emprego aos amigos, a mim, o que me surpreende é que, ao abrir a porta de um prédio na Rua Tomás Ribeiro, Lisboa, esperando que entrem três pessoas, uma delas tenha parado diante de mim e me tenha perguntado se eu habito naquele prédio e se não me chamo Manuel Cabeleira Gomes - assim, de súbito, exclamando para a filha: - Olha, este senhor foi meu professor há 40 anos, em Mafra! Foi meu professor de Literatura Portuguesa!
Olhei-a e procurei, no seu rosto de senhora de mais de 50 anos, traços da adolescente de antanho e fiquei com a sensação que conseguia recordá-la, jovem adolescente, atenta e, sobretudo, com uma enorme vontade de aprender...
E fiquei a pensar naqueles jovens de hoje que, desatentos e desinteressados, não chegam a saber o nome dos professores, quanto mais o meu!
Quão diferente seria, profissionalmente falando, para deixar impressão tão duradoira nos jovens daquele tempo! Que pena que eu tenho que a minha memória não guarde, pelo menos, os rostos de todos aqueles que sempre manifestaram vontade de ir mais além!

23.10.17

A caminhada sem girassol

Sem girassol, o meu olhar é turvo. Só vislumbro, nos rasgões que abrem para o longe, formas imperfeitas; só oiço acusações de falta de amizade, de falta de educação - na rua, o que ganham em intensidade perdem na distância dos interlocutores...
E eu caminho, caminho para distender os músculos e aliviar a tensão ou talvez o esforço por compreender não o outro, mas o modo de lidar com a depressão... Essa depressão sazonal que só quer adormecer, mas que, lá no fundo, é uma nova forma de poder... que imobiliza, que asfixia até a um ponto que só a caminhada pode combater...

22.10.17

Refrear e enganar

Numa manifestação realizada ontem, no Terreiro do Paço, os manifestantes aproveitaram para desatar à pancada. Pelo que vi, as forças da ordem, esforçadamente, lá os separaram... Bem sei que estas forças foram criadas para assegurar a ordem! De qualquer modo, quero crer que, nestas circunstâncias, o melhor seria deixá-los esgotar as energias, pois,  um destes dias, vamos vê-los a acolitar gente manhosa que aspira a ser poder, a ser governo. E para quê?
Bernardo Soares (Fernando Pessoa) é esclarecedor:

«O governo assenta em duas coisas: refrear e enganar. O mal desses termos lantejoulados é que nem refreiam nem enganam. Embebedam, quando muito, e isso é outra coisa

Parece-me claro que alguém anda a desenhar um frente-a-frente entre a direita e a esquerda, em nome da chamada alternativa democrática, mas em breve será a extrema-direita a sorrir, como já está a acontecer um pouco por toda a parte... 
E como bem sabemos, a bebedeira é inimiga da memória!

21.10.17

Quem não sabe é que decide!

Milhões e mais milhões para compensar perdas humanas, de animais e haveres; para compensar empresas e empregados... para tudo o que estava, quase sempre, mal. E para reorganização do território, pouco se sabe...
Há por aí quem pense que basta dar uns milhares de euros às vítimas, reconstruir as casas e as fábricas, plantar uns milhares de árvores, restabelecer a luz elétrica e as comunicações, mas, infelizmente, isso é o mais fácil...
Reorganizar leva tempo, exige projetos e, sobretudo, o envolvimento de quem tem capacidade para executar. Em Portugal, há conhecimento e há empresas internacionalizadas que poderiam dispor de 15 ou 20% dos seus recursos para tal efeito... Mas não vejo que o poder político tenha lucidez suficiente para entregar tal programa de reorganização a quem sabe...
Quem não sabe é que decide!
E ainda há os abraços, os minutos de silêncio, as manifestações ora silenciosas ora espalhafatosas...

20.10.17

Há comportamentos que não entendo

Há comportamentos que não entendo e que já não menciono. Se ousasse escrever uma novela, talvez revelasse aquilo que certos jovens tanto procuram deixar a nu. Não sei se o fazem gratuitamente ou se porque alguém lhes sugeriu que essa era a técnica mais adequada à melhoria de classificações... Não creio, porém, que o objetivo seja regressar ao estado primitivo, pois os acessórios de marca nada revelam do estado vegetal inicial...
Há outros comportamentos que não entendo e que resultam de não compreender a vantagem que se possa tirar de começar tão jovem a copiar... Hoje foi um desses dias em que me vi no papel de polícia de ronda, inofensivo e com vontade de zarpar.
Mas esta minha incompreensão é um pouco artificiosa, pois sei muito bem que o sucesso está cada vez mais associado ao parasitismo...
Entretanto, acabo de me lembrar que voltei a confrontar-me, numa turma de 12º ano, com um grupinho da sueca.

19.10.17

Acender e deixar arder

Acender e deixar arder são dois atos indissociáveis, mesmo que os sujeitos possam ser distintos.
Apagar, só as casas se ainda sobrarem acessos e ainda houver água nos depósitos terrestres e aéreos. E depois esperar que as nuvens de fumo não reduzam a visibilidade a zero.
Com a floresta a arder, os acessos inutilizados e o céu que nem breu, só resta esperar, deixar-se filmar e contar as vítimas... e depois chafurdar na lama...
A estratégia escolhida não é de agora, é dos dias em que a gente lorpa se apoderou da governação, sem qualquer tipo de formação e que se algum grau académico possui é porque o adquiriu numa  das muitas chafaricas de ensino que foram abrindo de norte a sul do país de abril...
No entanto, essa gente lorpa sempre odiou a escola, tudo fez para a vulgarizar e desclassificar... Essa gente lorpa que organiza as praxes, que alimenta as juventudes partidárias, que inferniza a vida daqueles para quem o mérito se atinge pelo trabalho e pelo estudo...

18.10.17

É tudo tão absurdo!

Já não consigo nem vê-los nem ouvi-los. Abrem a boca e eu desligo a TV.
Desde os noticiários aos programas de encher chouriços, é tudo tão absurdo que o zapping esgota as pilhas do comando à distância. Por vezes, até pareço o Álvares de Campos da Ode Triunfal antes do seu coração se ter quebrado sem motivo real.
E escrevo "é tudo tão absurdo" num dizer superlativo inexplicável. Se é absurdo, para quê acrescentar tão?
O absurdo não é mensurável! É ou não é, simplesmente. E o que o é, não necessita de graduação.
Por exemplo, é absurdo, para mim que não para certos políticos e gestores bancários, haver investidores que não dispõem de capitais próprios, mas que não desistem de pedir empréstimos que sabem nunca vir a amortizar...
E também é absurdo que haja investidores que não dispõem de capitais próprios, isto sem me querer pronunciar sobre o material militar que foi recuperado sem nunca ter sido roubado... 

17.10.17

Um presidente incendiário

Depois dos pirómanos, dos vampiros, das chefias incompetentes, da amnésia dos antigos governantes,  da pesporrência ministerial, do fundamentalismo dos relatórios científicos, eis que acaba de se pronunciar o presidente dos afetos que, afinal, se revela um incendiário político...
De imediato, a grande maioria dos comentadores acerta o tom e dá início à época das loas....

16.10.17

A nau Catrineta não volta mais

Ao calcorrear o país durante muitos anos, a imagem gravada era a de uma terra diversa, rica florestalmente, embora maltratada pelo primitivismo dos seus habitantes e, sobretudo, por projetistas em busca do el dorado.
Não será difícil perceber que o empreendorismo português, nos últimos 40 anos, não olhou a meios para capturar recursos, destruindo caminhos e linhas de água e, sobretudo, construindo vias rápidas que trouxeram consigo a desertificação.
As populações residentes, cada vez mais reduzidas, viram desaparecer a escola, o posto de correio, o mercado, a mercearia e a taberna, a agência bancária, e até as ermidas se tornaram apenas objeto de romarias estivais dos emigrantes que por alguns dias regressavam ao lugar que os viu nascer - o progresso, a austeridade, a troika, o centralismo...
Agora, já não é só o pinhal do interior, é também o de D. Dinis que é devorado pelas chamas gulosas dos abutres, políticos e seus comparsas.
Com a chegada do inverno, chegarão as marés vivas que não olharão a dunas e a edificações alcandoradas. O mar entrará terra adentro e destruirá tudo o que se lhe opuser... e depois alguém gritará que a culpa é das alterações climáticas.
A verdade é que a culpa é nossa, porque não sabemos escolher os governantes. Gostamos dos incompetentes, dos demagogos, dos manhosos, dos intriguistas e até dos corruptos, sem esquecer aqueles que, de tempos a tempos, nos dão com o pau...

15.10.17

A Acusação

Estive a folhear a Acusação e fiquei com a ideia de que, afinal, neste país, há pessoas com muito espírito empreendor. 
O crescimento dos negócios é de tal ordem e tão célere que a velha de ideia de que o catolicismo sempre fora um entrave ao desenvolvimento industrial e comercial se me apagou. Vou deixar de ler o velho Antero das Causas da Decadência dos Povos Peninsulares... (Terei, entretanto, encontrado a explicação para o facto do Partido Socialista, nascido na Alemanha luterana, nunca reivindicar a herança da Geração de 70 do século anterior...)
Por outro lado, parece que o crescimento do negócio transfronteiriço é inseparável da criação de fortes laços de amizade, mesmo nos casos em que as relações terminam em divórcio. Há ainda um outro dado a não descurar, a província leva a palma à capital na sua capacidade de expansão e de internacionalização. E não menos importante, os amigos tudo fazem para promover a formação do Amigo Maior, mesmo que este ame o fausto e a prosápia...
Finalmente, começo a desconfiar que a fraternidade é tão profunda que há amigos tão poderosos que nem sequer são mencionados pela Acusação. Pelo menos, o localizador não os conhece pelo nome que lhes terá sido dado na pia batismal...
(Um destes dias, voltarei à Acusação!)

14.10.17

Ontem, senti pena do jornalista Vítor Gonçalves

Ontem, senti pena do jornalista Vítor Gonçalves. Senti que na sua contenção morava uma alma isenta e nobre que, de algum modo, desejava que o seu entrevistado se redimisse.
Mas era absolutamente impossível cumprir o guião. Ao entrevistado pouco interessavam as perguntas; as suas respostas apenas visavam encobrir as causas da megalomania que deixou um país de pantanas...
A certa altura, apeteceu-me regressar a Platão e reler os diálogos socráticos, em que o filósofo utiliza os seus interlocutores para os rebaixar, expondo-lhes a mediocridade e a sordidez dos seus pensamentos...
Sem público, Sócrates não existiria, e é isso que explica a necessidade de controlar o entrevistador, exigindo-lhe submissão e denegrindo-o.
Afinal, o público ama a megalomania e a hipocrisia do poder...

12.10.17

Em dois pés

Nada avança, nem sei se não será melhor assim.
À volta é só especulação e depressão!
Uns presos ao passado, outros a um futuro impossível.
Por mim, cansado de formular perguntas e de fazer reparos, creio que o melhor é desligar, e, de preferência, em dois pés, desatar a andar... seguro, no entanto,  de que não irei longe.
Até que um dia lá terão que se habituar!

11.10.17

Um romance com 4000 páginas é obra!

Bem sei que uns tantos juristas desistiram do Direito para se dedicarem à Literatura. Outros, como a Literatura não mata a fome, lá foram vivendo com um pé num lado e outro no outro, mas sem grande arruído...
Hoje, ouvi, no entanto, um advogado afirmar que a acusação no "caso Marquês" não passa de fantasia, de um romance com 4000 páginas...
Um romance com 4000 páginas é obra! O que é que terá passado pela cabeça do romancista? Não vai ser fácil encontrar leitores com tempo e fôlego para fruir tal obra... 
Face a tal desconchavo, vou esperar que o engenheiro Sócrates não seja condenado por ter escolhido mal o crítico literário. 
E já, agora, recomendo que uma obra de tal dimensão seja lida longe dos meios de comunicação, dita, social, para não envenenar a populaça...

10.10.17

Carles Puidgemont, uma figura messiânica?

Fui ler o artigo da Wikipédia sobre Carles Puigdemont i Casamajó, e o que me desperta a atenção é a sua formação, o seu percurso profissional e político centrados na identidade cultural catalã, como se estivesse a ser preparado para a cumprir o destino nacionalista... Uma figura messiânica?
Quanto à aspiração catalã de independência, ela não me surpreende, pois se não é tão antiga como a portuguesa, anda lá perto. Como se sabe, no século XVII, a restauração da independência portuguesa só foi possível graças à subjugação da Catalunha. Se os ventos independentistas tivessem soprado de outro modo, o rumo português teria sido certamente bem diferente!
Apesar de ser defensor de uma Ibéria reunida num estado federal, creio que, do ponto de vista português, no contexto atual, a Catalunha satisfaz as condições para declarar a sua independência e de que nada serve esperar que Castela lha reconheça...
O que me preocupa, no entanto, é o messianismo de que Carles Puidgemont parece investido...
(...)
Está declarado o estado de nevoeiro - temos agora um novo conceito: A República da Catalunha suspensa...

8.10.17

Na minha vida de campónio

O sargaço e o pilado

«Minha alma é lúcida e rica
E eu sou um mar de sargaço
              Fernando Pessoa

Compreender a ideia ( a metáfora) pressupõe uma experiência do leitor que, muitas vezes, este não detém.
No meu caso, por exemplo, levei algum tempo a interpretar o verso, pois nunca me passara pela cabeça que o sargaço pudesse ser uma alga utilizada como fertilizante, tal como o pilado (caranguejo voador)...
Na minha vida de campónio, o mar era uma miragem, os adubos químicos eram caros, e o único fertilizante natural era o estrume. 
Imagine-se, agora, que eu era aprendiz de poeta e ousava escrever "Minha alma é lúcida e rica» / E eu sou uma courela de estrume
Já estou a imaginar a jovem professora, algarvia e marítima, Lídia Jorge, a dizer-me "o menino está a assassinar a poesia..."

Em tempo de agricultura biológica, será que o jovem leitor ecologista terá tempo para recuar à época em que não havia adubos químicos e, sobretudo, para se googlar  e observar atentamente: 
Sargaço
Hoje, dispomos de tantas ferramentas que é pena que as escolas não estejam devidamente equipadas para suprir as insuficiências que nos distanciam de outrora... Por exemplo, amanhã, se quiser utilizar este post, o mais provável é que o computador tenha adormecido ou que o sinal de Internet seja tão fraco que a estratégia morra no momento... e a Escola a que me refiro, em particular, está localizada em Lisboa a 100 metros da sede da Altice - ou será da PT?

7.10.17

E depois há o leitor

Observemos o seguinte fragmento do Livro do Desassossego:

«Para alguns que me falam e me ouvem, sou um insensível. Sou, porém, mais sensível - creio - que a vasta maioria dos homens. O que sou, contudo, é um sensível que se conhece, e que, portanto conhece a sensibilidade.»

Nele, as emoções são objeto de fina análise, através da imaginação verbal, o que lhes dá uma poeticidade única. 

(E depois há o leitor que insiste na identificação, umas vezes, narcísica, outras vezes, malévola, sem esquecer o leitor besta, mas doutorado... )

6.10.17

Competência essencial

Saber interpretar é uma competência essencial. Fernando Pessoa é um dos maiores intérpretes da condição humana. Fê-lo com um rigor inexcedível. Todas as suas "máscaras" são a expressão de um espírito geométrico que permanentemente procurou desmascarar o conhecimento tido como definitivo...
Nos tempos que correm não basta escrever sobre esta convicção, é necessário saber ilustrá-la... e mesmo assim!
Vem este arrazoado a propósito da resolução, inscrita no manual Sentidos 12 (versão professor), da seguinte pergunta: - caracterize o sujeito poético, justificando a sua resposta com elementos textuais pertinentes: O sujeito demonstra alguma confusão interior como se percebe pela primeira estrofe quando afirma "Tenho tanto sentimento / que é frequente persuadir-me de que sou sentimental..."
O problema é, no entanto, outro. Bastaria saber que a referência de sentimento é, à luz do conhecimento da época, distinta da de sentimental. É sentimental todo aquele que se deixa conduzir pelas sensações, pelas emoções... Por outro lado, o sentimento, embora possa ter origem na sensação, é uma realidade mental, drenada pela razão; é fruto da autoanálise e da imaginação: Mas reconheço, ao medir-me / Que tudo isso é pensamento / Que não senti afinal
Onde é que paira a confusão interior?
(...)
O que este poema demonstra é que o homem, por mais que racionalize, não tem qualquer ferramenta que lhe permita saber distinguir a vida verdadeira da vida errada, mesmo se as Ciências Humanas (Teologia, Filosofia, Psicologia...) insistem em defender que os sentidos são fonte de erro e a razão fonte de certeza, de verdade...

5.10.17

Preocupante

Quando tanta gente ignora o que é o sebastianismo, anda por aí um político que ainda não regressou à toca, mas que já promete voltar... E enquanto não regressa, procura-se um cordeiro que por ele se imole...

A Academia sueca diz que o Prémio Nobel de Literatura de 2017, Kazuo Ishiguro, é uma mistura de Jane Austen, Franz Kafka e de Marcel Proust... Uma mistura! Estou em crer que o António Lobo Antunes, para a Academia sueca, deve ser uma máscara do Rui Rio.

No dia República, também se celebra o dia do Professor. Nunca percebi porquê. Será porque a República os trata tão mal?

Em Espanha, continua o conflito entre o estado central e uma das regiões autonómicas. Será que ambos sofrem de amnésia?

Entretanto, já há previsão do número de mortos para o caso da Coreia do Norte insistir no confronto militar. Mais de dois milhões!

« A nossa inteligência abstrata não serve senão para fazer sistemas, ou ideias meio-sistemas, do que nos animais é estar ao sol.» Fernando Pessoa / Bernardo Soares

4.10.17

Da compreensão

"... uma zebra é impossível para quem não conheça mais que um burro." Fernando Pessoa / Bernardo Soares 

Nenhum burro está obrigado a reconhecer a existência das zebras. Com ou sem palas, o burro apenas procura o pasto, mesmo que tal signifique afastar-se do caminho. Na verdade, o burro nem sequer procura o espelho, só lhe interessa a cumplicidade asinina...
Se lhe passarmos a mão pelo pelo - ai o (des)acordo ortográfico! - a resposta é imprevisível. Vai do coice ao relincho!

Perguntaram-me hoje por que motivo não escrevia um livro. Fiquei sem avançar qualquer explicação, embora tenha pensado que, talvez, por preguiça ou, sobretudo, por desencanto...
Um livro para quê? Há tantos e tão maus, e se algum revela alguma qualidade é tão maltratado.

3.10.17

Por lá e por cá...

Por lá, Catalunha, greve geral contra o governo central de Espanha.
Por cá, notícia de que Passos Coelho vai recolher à coelheira.

Como acordei muito cedo, não me sinto capaz de avaliar os efeitos de tais comportamentos. De qualquer modo, o Governo de Madrid revela não saber ouvir as vozes do dissídio, tal como Passos Coelho não soube, atempadamente, tirar ilações do dia em que ganhou as eleições nas urnas e as perdeu no Parlamento...
E quando assim é, por muito que os adversários cantem vitória, os prejuízos são sempre irreparáveis...

Agora, sim, toca o despertador

Acordo, mal adormeço, mas só tomo consciência disso quando olho as horas. Preocupa-me a gata, não vá acordar do sono pesado e relutante quem não deve. Adormeço.
Volto a pegar o sono, mas os miados alertam-me para o perigo que só diminui quando a bicha se aninha no meio das minhas pernas.
Adormecemos, parece que o tempo decorre sossegadamente, mas agora é o calor de outubro, a boca seca que interrompem aquilo que costuma obedecer às leis do despertador.
Dou uma olhadela à lista dos amigos facebookianos despertos e, espanto, são vários, alguns da vida real que entram no trabalho à mesma hora... O que estarão a fazer, despertos a esta hora?
Pego no Livro do Desassossego e lembro que o volume, quebrado, que folheio, nunca chegou a ser um livro nas mãos de Bernardo Soares que, de verdade, não as tinha... folhas soltas, pedaços de deambulações plasmadas em fragmentos - plasma ou talvez magma de outras vidas, também elas imaginadas....
Agora, sim, toca o despertador. Foge-me a  página, insisto e registo  o que não é meu nem dele:

«Ah, outro mundo, outras cousas, outra alma com que senti-las, outro pensamento com que saber dessa alma! Tudo, até o tédio, menos este esfumar comum da alma e das coisas, este desamparo azulado da indefinição de tudo!» Bernardo Soares

2.10.17

Há por aí muitas caçadeiras já obsoletas...

A caça ao voto já terminou. Há caçadores mais satisfeitos do que outros e muitos de mãos vazias.  Agora, é esperar que os coelhos e as perdizes voltem a crescer, caso o Céu saia da sua impassibilidade e se digne regar os campos, já que os citadinos passam bem sem chuva...
Por mim, os resultados da caçada são os possíveis, pois, em democracia, há que aceitar a decisão do povo, até porque este povo é múltiplo nos interesses e nos anseios, sendo sonho maior deixar de ser caça e passar a caçador...
Finalmente, sinto que há por aí muitas caçadeiras já obsoletas, incapazes de deixar o terreno. De qualquer modo, o tempo se encarregará de as  encravar de vez...

1.10.17

A votos, em Portugal e na Catalunha

Lá fui votar. Cedo. Afluência reduzida.
Regressei duas horas mais tarde, mas não para votar, descansem. As filas tinham engrossado como já não via há muito.
Perplexo, pus-me a pensar na causa. Será expressão de um acréscimo de responsabilidade cívica? 
Mais logo, saberemos.

Entretanto, a nação catalã não desiste de mostrar ao estado espanhol que deixou de confiar nele e este vai dando provas de que não sabe negociar. E quanto ao rei espanhol, o que será feito dele, perguntará o ditador Franco...
Creio que a opção monárquica de Franco visava assegurar a união das nações... ou seria das freguesias?