11.12.17

E se o edifício do Liceu Camões ruir?

Quem estava na Escola Secundária, às 11h e 50 minutos, na zona correspondente ao Pátio Sul, apercebeu-se certamente do impacto das rajadas de vento, quer nos plátanos que vergaram significativamente, quer nas paredes de algumas salas, quer no telheiro que protege as galerias, quer  no telhado... há deformações da estrutura bem visíveis...
Há imagens, mas infelizmente não é possível dar conta das emoções. Pela primeira vez, vi alunos verdadeiramente assustados...
Não sei se é verdade, mas consta que ainda não é em 2018 que as obras de recuperação do edifício têm início...
E se o edifício ruir em plena atividade escolar?

10.12.17

Antes que a ANA o leve

Antes que a ANA o leve consigo, deixo aqui o presépio dos Bombeiros Voluntários de Moscavide e Portela.
A novidade de hoje é que, não havendo incêndios, as televisões passaram a cobrir os aguaceiros, as rajadas de vento e os flocos de neve...
A população, essa, está-se marimbando...

9.12.17

'Familiarizar' a educação...


 

O país é pequeno, mas imagina-se grande e eleito. Agora, está na moda municipalizar. Por exemplo, municipalizar a educação...
Nesta época natalícia, o melhor seria "familiarizar" a educação, isto é, devolver a educação dos filhos às famílias, até porque já há filhos de Deus que defendem que a educação é problema deles... e que não lhes toquem nos parentes...
Já agora também poderiam devolver os refeitórios às escolas, acabando com a corja de mediadores que se vão instalando um pouco por todo o lado.
Só que a devolução já chegaria atrasada, pois que ao "familiarizar" a educação, regressar-se-ia ao tempo em que as escolas não eram necessárias.
E os filhos de Deus não deixavam de nascer e de morrer...

8.12.17

Da cortesia...

A cortesia já teve melhores dias!
Corre-se até o risco de ser acusado de assédio... Releia-se o código trovadoresco, designadamente, nas cantigas de amor... das outras é melhor nem falar... 
Ontem, explicaram-me, que, sendo abalroado por um veículo em marcha atrás, posso ser responsabilizado, na ausência de testemunhas, pelo acidente...

7.12.17

A senhora condutora...

Pelas 16 horas e 3 minutos, no 131 da Avenida Gago Coutinho, ao permitir que o veículo automóvel 28-EO-29, em marcha atrás, pudesse sair de cima do passeio, acabei por ver a dianteira do meu automóvel maltratada....
A senhora condutora fez de conta que não era nada com ela e, de forma furtiva, encostou à esquerda e, na primeira escapatória, inverteu a marcha e seguiu caminho na direção do aeroporto...
Quem me mandou a mim ser cortês?

6.12.17

Jerusalém

Jerusalém é a capital de Israel.
(DT)

Jerusalém é bem mais importante do que o que  acontece em muitas salas de aula...
No entanto, há uma semelhança: "eu sou responsável pelos meus atos e faço o que eu quiser". A restante humanidade murmura, abana a cabeça...
                      e eu, às voltas com a desfaçatez feita ao túmulo de Alexandre Herculano, vou meditando no meu papel no meio de tudo isto.

5.12.17

Desfocado

galos, galinhas, patos, andorinhas
e um pouco de canábis por legalizar
um guarda-livros e um guarda-chuva
o primeiro deve ser um bibliotecário que guarda livros
o segundo o ladrão que nos priva da chuva...
tudo tão imediato
o autor foca-se no futuro
há quem diga que o porreirismo pode ser penalizado
há quem insista num jogo traçado a quatro
aqui tão longe do bando dos quatro
adiantados recusam esclarecer o assunto que lhes prende a atenção
nem o filme do desassossego os cativa...
por segundos ficam parados nas cenas de sexo fingido...
a transfiguração do real,
se os transformasse em abóboras, em pevides e em gaitas-de-foles

há quem diga que já não há língua
nem futuro
há no entanto um chinês que oferece meloas aos recém-casados
sorrisos, parvoíces, lérias, tretas...
e um pouco de canábis por legalizar...

4.12.17

A lua fingida de Mário Centeno


Esta lua lá onde brilhava tinha melhor aspecto.
Creio que, neste dia, esta lua fingida representa bem o destino do  Mário Centeno à frente do EUROGRUPO...
A avenida é larga, o aeroporto é ali mesmo ao lado... e a vaidade lusa inesgotável, sem esquecer a inveja que, também, vai fazendo o seu caminho.
De qualquer modo, tenho uma pequena dúvida: - E se a GIRINGONÇA se escangalha?

3.12.17

É tudo a fingir...

É tudo a fingir, embora cheios de convicção... A arca esvazia-se do pinheiro, das pinhas, dos sininhos e até um pai natal ousa pôr o gorro de fora... Já não há burro, nem vaquinha... e a palhinha levou-a a Troika... O menino jaz distante de sua mãe, que quanto ao pai não se sabe por anda nem mesmo se existe... só na Câmara Municipal de Lisboa há dinheiro a rodos para distribuir pelos compadres e pelas comadres...
                             e depois há aquela luz toda que não pode vir de Belém mesmo que lá more um novo Apolo, que, por estes dias, deve andar a ler o Orçamento onde parece haver dinheiro para tudo... o dinheiro dos reis magos, certamente... 

2.12.17

Nesta hora de penumbra fingida

A noite cai como se tal fosse possível, o sol deixa-nos sorrateiramente, cessando de incomodar as mentes mais cinzentas, embora frequentemente estas prefiram a torreira solar...
Hesito. Talvez eu quisesse dizer mentes grisalhas, mas a verdade é que as mentes não podem ser nem cinzentas nem grisalhas. As cabeças é que vão ficando grisalhas... e supostamente, as mentes vivem nas cabeças, não se sabe bem se sob forma de uma qualquer substância se sob forma de ideia... o que me traz nova preocupação: será que a ideia poderá ter forma?
Até agora, para além das velas dos moinhos de D. Quixote, só as criaturas inventadas por Fernando Pessoa é que vão ganhando tal forma e substância que há quem as veja nas esquinas e nos cais de Lisboa - há mesmo as que já apanharam o elétrico e foram vistas a falar com outras criaturas estranhas, vindas desse país longínquo a que costumamos chamar estrangeiro...
Nesta hora de penumbra fingida, não me importava nada de, simplesmente, estar de chegada ou de partida desse país estrangeiro, onde as mentes serão certamente menos cinzentas... 

1.12.17

Apesar da data

Ainda há quem não consiga escrever sobre a notícia de última hora. A reação, por motivos que, agora, não vale a pena escrutinar, não se materializa em signos que possam ser lidos de imediato... O sentimento pode ser tão contraditório que o pesadelo se autonomiza do sujeito e, qual fantasma, fica a rondar por tempo indeterminado...
Mais vale que o rio siga o seu curso, indiferente à vaidade humana...

Infelizmente, não é o que acontece na maioria das situações - parece que todo o estímulo exige uma resposta imediata, mesmo que sobre o assunto nada se saiba...
Melhor seria que se assumisse o desconhecimento e, sobretudo, que houvesse disposição para gastar algum tempo a investigar...

(Enquanto uns dão vivas a Portugal na Praça dos Restauradores, eu esforço-me por destrinçar as calinadas que se amontoam sob os meus olhos...)

30.11.17

Encómios da Hora

O vento e o frio argumentam melhor do que eu. Impassíveis, ouvem as exigências e depois movem-se sorrateiramente, sorrindo dos planos e dos seus autores.
Eu, pelo contrário, reajo - alerto para as discrepâncias de comportamento, comparo o dia de ontem com o de hoje, sem qualquer sucesso. A não ser, refrear o argumento, impondo uma regra - Não sejas burro!
Afinal, tudo o que fora exigido foi derrotado pelo tempo... 
Entretanto, Átropos segue inexorável: - desta vez, foi o Zé Pedro (dos Xutos & Pontapés)... e a nação mergulha em encómios da Hora...

29.11.17

A notícia atravessa-se

Pode ser que o frio justifique o adiamento, só que o esquecimento provocado pela manhã passada no cabeleireiro é preocupante... de qualquer modo, o problema parece ser o plural de 'ancião' - anciãos, anciões e anciães... Por outro lado, o mostrador do smartphone está transformado num campo de batalha em que os ícones são varridos sem apelo nem agravo.
(...)
A meio da tarde, a notícia atravessa-se - Belmiro de Azevedo morreu aos 79 anos. De súbito, nas televisões, os comentadores elogiam-lhe o espírito empreendedor, o desprezo pela classe política...
A pulso, enriqueceu, tornou-se um dos homens mais ricos de um dos países mais pobres da Europa, só que Átropos não distingue a riqueza da pobreza humana...
(...)
De manhã, a mesma substância de que o raciocínio anda arredio...
Entretanto, a viagem a Budapeste esfumou.se. Há pulsões que deveriam ser interditas! Até porque ficam caras...

28.11.17

Se andasse para trás

...
confirmava se a gabardine que já foi minha está em condições de suportar o frio de amanhã que a chuva essa já estará de partida...
verificava se 50 euros, em numerário, serão suficientes para pagar a pintura do cabelo e outras alfaias achinesadas que irremediavelmente se aprestam a saturar-me a casa...
voltava a retirar o automóvel do pátio assombrado por viaturas dimensionadas para as grandes avenidas e precipitava-me para a boca do Metro de Moscavide...
enfrentava  a embalagem de carne picada e transformava-a num esparguete à minha moda de que ninguém se queixa, provavelmente excesso de educação....
regressava ao pacote de testes, ordenava-os, classificava a primeira pergunta do I grupo e o II grupo, num critério absurdo, mas de quem está a apalpar terreno deveras conhecido, embora aqui e ali surja uma surpresa - ou será uma esperteza...
espreitava o Facebook a verificar se em Hamburgo a vida decorre sem sobressaltos - chove e a temperatura continua a baixar... e a senhora Merkel andas às voltas com um Governo improvável - quem diria que a Germânia regressava ao tempo dos godos...
consultava o OGE 2018,  para me assegurar que para o ano a minha situação laboral e financeira  irá agravar-se, ao contrário do que apregoam as forças esquerdistas que pensam que sem pagar aos credores é possível penalizá-los...
explicava pacientemente que o bulício de Bernardo Soares é diferente do de Cesário Verde e que vale a penha saber-lhe o significado e que quando o semi-heterónimo se quer coevo do Poeta da cidade, ele se está imaginar contemporâneo, mesmo que o meu interlocutor também necessite de perceber que eu e ele somos contemporâneos porque habitamos o mesmo tempo...
ou, então, aproveitava para elucidar que a angústia é, afinal, a expressão de um medo (phobos) sem objeto e que vive paredes-meias com a ansiedade... e talvez, assim, alguém compreendesse que a angústia é um luxo relativamente recente - há quem diga que surgiu nos finais do séc. XVIII...
e, claro, se andasse para trás, talvez, em vez de fazer o caminho das Olaias, tivesse preferido a Rotunda do Relógio - que ele são vários... e eu sou só um...

27.11.17

The best!

Começa por perguntar as horas.
Como se o silêncio o perturbasse, passa a mão pelo cabelo, e pergunta pelas cotações...
Volta a perguntar as horas... para segundos mais tarde, se afirmar como ' the best', prometendo obter a nota máxima...
À direita, procura cumplicidade na confirmação das respostas...
A colega da frente irrita-se com a verborreia pré-verbal do hiperativo postiço; os restantes sorriem como se nada houvesse a fazer...
Regressa às horas, como se quisesse confirmar que o tempo parara e pergunta se lhe concedo mais tempo...
Pergunta inútil, pois não sou o dono do tempo...
Entretanto, mergulha no enunciado... 

26.11.17

'the new art fest' 17... no Antigo Picadeiro do Colégio dos Nobres


Antes que se fizesse tarde, lá fui visitar 'the new art fest' 17, e não me foi fácil descortinar o vídeo Linha de Código 2016/2017 de Jorge Castanho e Alexandre Barão, cuja arte não sou capaz de apreciar, apesar do belo efeito estético, mas que, reconheço, souberam aproveitar o espaço oferecido pelas "Caves" do Liceu Camões - ou estarei enganado?
Esta dificuldade de apreciação deve-se à minha clara iliteracia neste tipo de performances, pois sinto-me incapaz de distinguir se elas são apenas 'presenças' efémeras ou se abrem portas para universos a que deixei (culpa minha!) de ter acesso...
No geral, foi com alguma perplexidade que circulei por entre tão estranhas criaturas, ficando um pouco preocupado com a antropóloga (Maria Lopes, 'O Campo da Consciência') que só tenciona apresentar o resultado final da sua investigação em 2029; por outro lado, os robôs do Tiago Rorke são bem mais pacientes do que eu, pois conseguem completar um jogo de batalha naval em 4 dias... Ao observar aquela caneta, pensei que ela bem poderia revolucionar o fabrico de tapetes de Arraiolos - Quem sabe?
Espero que "os criadores" me perdoem esta cada vez mais acentuada "grafomania".

25.11.17

JI-GEUM-EUN-MAT-GO-GEU-DDAE-NEYN-TEUL-LI-DA

A double bill is a theatre or cinema performance in which there are two shows on the programme.  
JI-GEUM-EUN-MAT-GO-GEU-DDAE-NEYN-TEUL-LI-DA é o título do filme sul-coreano de HONG SANG-SOO (2015).
Em tradução portuguesa, SÍTIO CERTO, HISTÓRIA ERRADA (na tradução inglesa RIGT NOW, WRONG THEN).
De regresso à Cinemateca, pensei inicialmente que o filme poderia documentar a Coreia do Sul, mas não - este (duplo) filme, de forma minimalista, a partir da mesma situação, recria dois possíveis narrativos suportados por diálogos, por vezes à beira do non-sens, mas que sugerem um tom de paródia quer dos estereótipos sul-coreanos quer dos estereótipos cinematográficos...
Neste caso, o desconhecimento da língua (e da cultura) em que o filme se desenvolve limitou-me a compreensão da intenção de Hong San-Soo...

24.11.17

Ao abandono, o docente

A ideia de que a Escola é, em si, uma comunidade faz parte do discurso político e, como tal, a Lei reconhece-lhe competência para desenhar o Projeto Educativo que deveria ser singular...
Diga-se, de passagem, que essa competência é mitigada, pois o Estado continua a interferir em matérias essenciais como o estatuto disciplinar do aluno, o papel do meio envolvente e, sobretudo, dos pais e encarregados de educação. Para o efeito, nos últimos anos reforçou as competências do Conselho Geral e transformou o Conselho Pedagógico num órgão de consulta do Diretor...
Na verdade, o Projeto Educativo (e a sua extensão, o Regulamento Interno) transformam a Escola numa "pequena república", só que lidos atentamente, verifica-se que a Escola Portuguesa ignora os seus funcionários, designadamente os docentes...
Ignora o seu estado físico e psicológico, ignora o efeito da pressão a que diariamente são submetidos, ignora o seu envelhecimento, não havendo, nas escolas, nenhum gabinete de acompanhamento que os possa ajudar a superar as dificuldades, sem os atirar para o consultório psiquiátrico ou para um ensimesmamento aviltante...

Caruma agradece

Ontem, finalmente, choveu, e , quando tal acontece, Caruma agradece...
Agora, está a chover. Esperemos que continue e que não comecemos a queixarmo-nos.

22.11.17

Todos os dias de cada ano, os professores são postos à prova...

Todos os dias surgem comentários desagradáveis sobre os professores, como se eles fizessem parte de um grupo de parasitas responsável pela ruína do país ... 
Não sei se os, agora, comentadores não são aqueles mesmos meninos / meninas que, na sala de aula, raramente  prestavam atenção à matéria em estudo, preferindo a conversa entre pares...
Não sei se os, agora, comentadores não são aqueles mesmos meninos / meninas que, na sala de aula, tudo faziam para copiar pelo colega mais aplicado - não só os testes mas, até, os trabalhos de casa...
Não sei se os, agora, comentadores não são aqueles mesmos meninos / meninas sempre prontos a pôr-se em bicos de pés, acusando os professores de incompetência, à menor falha, lapso, sinal de cansaço...
Não sei se os, agora, comentadores não são aqueles mesmos meninos / meninas que sempre confundiram a sala de aula com o pátio da escola...
Não sei se os, agora, comentadores não são aqueles mesmos meninos / meninas para quem a vida escolar mais não era que uma forma de passar o tempo, pois o futuro não dependeria do sucesso escolar nem da interiorização de valores, como a responsabilidade e o respeito - que não a obediência sabuja...
No entanto, desconfio que a maioria dos críticos dos professores integra o grande grupo de parasitas que, nas últimas décadas, aprendeu a roubar os portugueses... e que eu saiba não foram os professores que lhes ensinaram tal arte...
Os professores não são nem uma seita nem uma raça e, em muitíssimos casos, são as maiores vítimas da erosão da sociedade.
Diariamente, os professores são postos à prova, sofrendo danos físicos e psicológicos que ninguém se preocupa em avaliar... Todos os dias de cada ano... 

21.11.17

Dilema

Que Ela esbracejava, já sabia... Quanto ao resto, nunca consegui descrevê-la. Só  agora  percebi que ela tem cabeça e pernas...
Uma cabeça que afirma perentoriamente: A HISTÓRIA NÃO VOLTA PARA TRÁS!
Duas pernas que replicam: ENQUANTO NÃO RECUARMOS NÃO AVANÇAMOS! (para o abismo)...
Ora se a cabeça avança e as pernas recuam, como é que Ela vai aprovar o orçamento para 2018?

20.11.17

Parece-me bem!

Amesterdão recebe Agência Europeia do Medicamento.

Parece-me bem! Liberalizadas as drogas leves, quem melhor para gerir as restantes drogas?

19.11.17

MENTIRA

"Segundo a mesma fonte, dos cerca de 99 mil professores que existem no Ministério da Educação, cerca de 22.300 atingiriam o topo da carreira nessa situação, passando assim ter uma remuneração base da ordem dos 3.500 euros brutos. A contagem do tempo de serviço entre 2011 e 2017 resultaria ainda num aumento salarial anual de 15 mil euros para cerca de seis mil professores, adiantou."

- Qual é o professor dos ensinos básico e secundário que, no topo da carreira, recebe aproximadamente 3.500 euros brutos? É preciso explicar ao senhor ministro das finanças que os professores foram excluídos do 10º escalão e nem nesse escalão se atinge esse valor. A carreira fecha no 9º escalão!
Há muitos professores, que já deveriam estar aposentados, e que já lá estiveram... e depois foram colocados no 9º... ( são as manobras de um regime intoxicado por falsas verdades...)
É um pouco como o lugar comum de que os professores não são avaliados. MENTIRA. Ao longo dos anos, a avaliação tornou-se uma FARSA por culpa de Governos e de Sindicatos...
Mas desperdiçou-se muito tempo com ela e muitos professores foram enganados. 
Não é só nos BANCOS que há ENGANADOS e ROUBADOS, também os há nos Bancos das Escolas! E muitos!

18.11.17

Exigir é fácil e prometer também não é difícil

Exigir é fácil, sobretudo, porque se avizinham eleições... e prometer também não é difícil quando se tem como objetivo ganhá-las...
O problema é que o dinheiro é escasso...
Já aqui o referi várias vezes: governar implica uma estratégia global. Por exemplo, todo o sistema educativo português necessita de ser revisto.
Há, pelo menos, 20 anos que a tecnologia fornece as ferramentas necessárias a uma reformulação do parque escolar, à redefinição da matriz curricular e, particularmente, à reforma das metodologias de ensino... só que continuadamente duplicamos os recursos e os resultados, apesar do que certos organismos internacionais apregoam, são um desastre... Claro que as estatísticas estão contra mim!
Falta visão para acabar com as velhas rotinas e com os parasitas.

17.11.17

Não sei se sorria

Hoje perguntaram-me se o Virgílio era o Vergílio (Ferreira) e quem era o Ésquilo... e por que motivo os Futuristas se chamavam futuristas e faziam a apologia do Momento (do Presente), sem esquecer essa maldita ideia de que «a guerra é a única higiene do mundo»...
Isto da referência é uma chatice - Virgílio, autor da Eneida, modelo para o Camões épico? A referência é tão ou mais assustadora que a robótica, essas máquinas infernais devoradoras de empregos... bem mais perfeitas do que o próprio homem... Ah, ser completo como uma máquina! 
Esmagados pela inteligência artificial, sem querer entender a raiz humana dessa inteligência, parecemos os escudeiros, os almocreves ou portageiros de outros tempos, incapazes de compreender que, afinal, os maiores derrotados foram os cavalos e não os burros - estes espreitam ironicamente  pela janela o repasto dos porcos humanoides.
Talvez, aqui e ali, ainda  haja alguma coerência - S. Paulo bem dizia aos Coríntios que o seu mister não era batizar mas evangelizar... Não sei se o evangelista teve sucesso... no meu caso, a inutilidade das minhas palavras está garantida, mesmo que esta não passe de um desafio ao Útil...

16.11.17

Um sorriso...

Há situações que nos exigem um tal domínio das emoções que a razão se torna rude para além daquilo que a regra social exige.
A tensão sobe ao ponto de se derramar sem controlo.
Há, no entanto, ao anoitecer, um sorriso que tudo compensa. E há, sobretudo, a esperança...
(...)
Para trás, fica o estacionamento a céu aberto,  a 1 euro / hora, numa avenida que dizem ser espanhola... e talvez venha a ficar a indiferença médica dos últimos quinze anos...
O que não fica para trás, são os conselhos de quem há muito percebera que o acompanhamento médico não seria o mais adequado.

15.11.17

A falha

A luta vai solene.
O ministro hospitalizado não foi preparado para a batalha...
A mim falta-me o espírito corporativo e a genica paroquial. 

A leitura global diz-me que a luta é justa, mas que o país está cada vez mais desigual. E assim irá continuar, apesar das pequeníssimas vitórias de Pirro.

Entretanto, por aqui, depois dos incêndios, a seca... Já só falta a neve! 

13.11.17

Não abdicar

Não recuar.
Não aceitar.
Não pactuar.

Se cair, levantar-se e continuar a andar.
Andar sempre, mesmo se a sombra alastrar.

Não esperar o barqueiro sombrio...nem entrar no rio triste.
Não abdicar
                   da razão a troco de uma qualquer verdade.

12.11.17

Um psicopata escreve o quê?

Um psicopata não assumido escreve sobre o quê?
Em primeiro lugar, há psicopatas que simplesmente não escrevem, embora falem pelos cotovelos sobre tudo o que imaginam ser a realidade (deles), porque a dos outros, essa não existe.
Depois há os psicopatas cuja escrita é o depósito de todos os rancores e de todas as invejas - escolhem um alvo, viram-no do avesso e não descansam enquanto a caricatura não assoma ao canto da página. Há até quem vá ao ponto de caricaturar Deus, esse invisível e indizível ser que assombra a mente das criaturas e, em particular, dos psicopatas... nestes sob a máscara do Diabo.
Há também aqueles psicopatas que, de tão livres, eliminam todo o tipo de censura, porque estão convencidos de que a verdade vive oculta para lá da consciência e dos padrões de cultura, caindo assim numa escrita automática que lhes traz de volta a dignidade, para não dizer a divindade... ( Já estou a ver os dadaístas e todos os divinos surrealistas!) 
Em conclusão, ainda não é hoje que abro a torneira até porque se o fizesse corria o risco de desatar abraçar tudo quanto mexesse... mas a razão diz-me "comporta-te, homem, não é porque tiveste um pai e um padrinho austeros que vais agora inundar o país de afetos, mesmo se o teu mandato é de seca - ou uma seca..."

10.11.17

Os psicopatas gostam de escrever

«Os psicopatas denunciam mais facilmente o seu delírio, escrevendo do que falandoLuís Cebola, Psiquiatria Clínica e Forense, pág. 146


Para demonstrar o carácter esquizofrénico da obra de Fernando Pessoa, o monárquico Mário Saraiva (O Caso Clínico...) arranca este argumento às páginas de Luís Cebola, só que basta uma consulta do verbete da Wikipédia para deduzir que dificilmente o antigo diretor clínico da Casa do Telhal (1911-1948) subscreveria a ideia de que Fernando Pessoa fosse um psicopata...

De qualquer modo, fico avisado. Vou escrever cada vez menos. Se não cumprir é porque a psicopatia tomou conta da mim... Ainda se escrevesse alguma coisa que se aproveitasse!

9.11.17

Relíquias

Nem crucifixo, nem presidente do conselho, nem presidente da república...
Apenas uma secretária e um estrado devorados pelo caruncho... até a cadeira foi substituída... relíquias...
Ora relíquias só nas igrejas e nem em todas!
Apenas um argumento em defesa da preservação do mobiliário acarinhado pelo Estado Novo: quando subo ao estrado,  a minha visão torna-se mais abrangente e mais disciplinadora, para não dizer autoritária... a nostalgia da cátedra...

8.11.17

O essencial

«O essencial é saber ver; 
Saber ver sem estar a pensar;
Saber ver quando se vê.
E nem sequer pensar quando se vê,
Nem ver quando se pensa.»
 Alberto Caeiro


Espero que ninguém se tenha precipitado e concluído que eu possa considerar Fernando Pessoa como um bluff.
Se assim fosse, nós também o seríamos, porque, no essencial, o homem pessoano é uma representação perfeita da deriva a que o homem do século XX se viu condenado ao querer romper com a velha ordem, muito por força do progresso científico e tecnológico...
Há, por seu turno, uma outra questão que mereceria ser analisada: o impacto da poesia de Fernando Pessoa na formação pessoal dos adolescentes.

7.11.17

"É imperioso banir da Cultura portuguesa o bluff Fernando Pessoa"

«Para a dignidade da Cultura portuguesa, é imperioso banir da literatura o bluff Fernando Pessoa e remeter o poeta ao seu real valor, que o tem e lhe basta.» Mário Saraiva, O Caso Clínico de Fernando Pessoa, pág, 164, Universitária editora

Não fosse um avô editor ter tido o cuidado de me fazer chegar às mãos tão precioso estudo, e eu teria continuado a ver em Fernando Pessoa a expressão de um mundo ávido por compreender a inquietação que o minava, depois que o Positivismo se revelara incapaz de determinar a Lei que tudo regeria... Num momento em que o Todo era definido como mais do que a soma das partes, Fernando Pessoa, num esforço titânico, desenhava caminhos que ia percorrendo, de preferência em simultâneo, embora soubesse desde início que o resultado o deixaria num estado de frustração que só uma boa dose de autodomínio lhe atenuaria a impotência. A impotência do ser.
E, assim, os caminhos criados são veredas alternativas ao desespero da humanidade. A arte como alternativa à impotência do ser... e não a expressão da impotência do homem que sofreria de hebefrenia mista...
(...)
Doravante, vejo-me obrigado a desconfiar se a leitura da obra de pessoana não será um veneno, irresponsavelmente, dado a ingerir à juventude portuguesa, contribuindo desse modo para o definitivo enterro da alma lusa...

Nota: A esquizofrenia hebefrénica é uma forma de esquizofrenia caracterizada pela presença proeminente de uma perturbação dos afetos. As ideias delirantes e as alucinações são fugazes e fragmentárias; o comportamento é irresponsável e imprevisível. Existem frequentemente maneirismos. O afeto é superficial e inapropriado. O pensamento é desorganizado; e o discurso, incoerente. Há uma tendência ao isolamento social. Geralmente, o prognóstico é desfavorável devido ao rápido desenvolvimento de sintomas "negativos", particularmente um embotamento do afeto perda da volição. (Wikipédia)

6.11.17

Não queremos obedecer...

Não queremos obedecer, mas somos treinados para deixar de pensar. Agora, tornou-se moda definir aprendizagens essenciais... e lá vamos nós identificar conteúdos  transversais, desenhar estratégias jesuíticas encorpadas de iniciativa e de criatividade... recriar o mundo.
Podemos não saber que um jesuíta é um cristão e que, como tal, serve uma doutrina milenar que nos mata a razão e nos transforma em servos obedientes de um deus ausente... Já nem sequer somos capazes de olhar para a palavra e identificar a raiz ...
É como aquelas árvores que são apenas troncos suspensos do fungo que as corrói...

5.11.17

O outono do inverno

Se o dia de hoje fosse diferente dos anteriores é que seria de estranhar. Voltou o Sol, embora mais tímido e cá em casa abriu a época oficial de inverno. 
Ricardo Reis ensina que, na verdade, a estação é o outono do inverno, mas esse não passa de um esquizoide que, apesar de recusar o passado e o futuro, se vestiu de uma cultura vetusta e cansativa - Para quê aprender grego e latim, estudar os clássicos, imitar Anacreonte, Píndaro e Horácio, e sobretudo, apostar num epicurismo triste e decadente?
O melhor mesmo é o silêncio, mas não sei o que é feito da moira Átropos... O óbolo já está preparado...

4.11.17

Na arca de Fernando Pessoa mora um homem menor

«Se pretendêssemos terminar com uma frase a propósito, diríamos que a heteronímia de Fernando Pessoa se condensa numa palavra: esquizofrenia.»
(...) 
«Todavia que as extremas do campo das letras, e do campo da medicina sejam respeitadas nas suas legitimidades. Esta condição é absolutamente imprescindível para a leitura correta e inteligente dos escritos pessoanos
                        Mário Saraiva, O caso clínico de Fernando Pessoa, Universitária editora, 1990

De acordo com Mário Saraiva, a arca deveria ter ficado por abrir... porque lá dentro se encontra um homem menor, paranoico e esquizofrénico
De acordo com Mário Saraiva, só Mensagem dignifica o autor.
De acordo com Mário Saraiva, os  estudiosos que proponham qualquer interpretação da obra que não leve em conta a demência, a despersonalização esquizofrénica de Fernando Pessoa, não são pessoas sérias...
Eu, por mim, já proibi os meus alunos de irem além da interpretação dos textos, esburgando-a de qualquer avaliação clínica do Poeta... Caso contrário, proponho que se retire a Odisseia do cânone ocidental, pois nada sei de Homero...

3.11.17

Sempre que me refiro ao Cardeal...

Sempre que me refiro ao Cardeal faz-se silêncio. Não entendo.
Afinal, sua Eminência não tem o dever de pedir (ordenar) aos presbíteros que movam o olhar dos crentes para as nuvens cinzentas que atravessam os céus! E que orem para que as águas divinas se abatam sobre nós, ímpios incendiários que nunca aprendemos o verdadeiro significado da sarça ardente...
Creio que o Cardeal da sua Torre altaneira tem uma visão distinta da dos meteorologistas, pois, como é sabido, estes enganam-se facilmente...
Talvez o silêncio tenha origem no facto de ser um daqueles ímpios que nunca compreendeu nem o pastor nem o rebanho. E não é por falta de aplicação!
Aborrecem-me os cardeais que insistem em recorrer a receitas antigas, como tem vindo a ocorrer com o novíssimo (?) António Damásio que, sem qualquer tipo de reverência, vem citando Fernando Pessoa, sem lhe mencionar a graça...

2.11.17

O Poder e a chuva

Estou a pensar na infalibilidade de certos sacerdotes, mal rogaram aos crentes que começassem a rezar, desatou a chover. Abençoados sejam e que a chuva se mantenha!


Em certos romances de Pepetela, a sorte do Rei joga-se na sua capacidade de fazer chover. Os conselheiros do Rei esclarecem-no ou confundem-no quanto à probabilidade de os céus se abrirem nem que seja em pequenos charcos... E claro quando a chuva cai, é a festa no povoado e a consagração do monarca...

Em Portugal, morto o Rei, nem o Presidente nem o Primeiro-Ministro se revelam capazes de fazer chover. Deve ser por isso que o Presidente aproveita todas as lágrimas do povo, enquanto que o  Primeiro-Ministro recolhe ao Gabinete, temeroso que o poder lhe escape definitivamente...
No entanto, na sombra, move-se o Cardeal, que não pode perder a oportunidade de mostrar que a chuva é de origem divina,... e eis que a chuva abandona o Céu e se derrama sobre a terra portuguesa...
Que a bênção cardinalícia não nos abandone!

1.11.17

Em dia de Todos os Santos

Há verbos que utilizamos sem lhes pesar o sentido. São tão banais que nem os vemos nem os ouvimos, mas eles encontram-se em cada eixo verbal...
E o simples facto de os enunciarmos define o modo como cada um de nós se relaciona com o predicado, isto é, com o ato enunciativo ( a modalidade)
Vejamos, os verbos dever e querer, por mais vinculativos que possam ser, apontam para a virtualidade - nunca sabemos se o que desejamos, de forma mais ou menos coerciva, será realizado... Os verbos poder e saber, cada vez mais postos em causa, continuam a marcar a atualidade. Os verbos ser e fazer dão corpo à realidade... o problema é que dificilmente resolvemos o problema da identidade e do sentido da ação...

Como é que em dia de Todos os Santos, começo a perorar sobre modalidades, que não as desportivas? Pelo simples motivo que um santo menor, mas com vontade de ser maior - Rui Santos - acaba de dizer em voz alta aquilo que é sonho de muitas vozes caladas: Pode estar em causa a descida de divisão do Benfica...
Pode marca a atualidade, marca a vontade justiceira de Rui Santos, mas está longe de corresponder à realidade.

30.10.17

Não vou arregaçar as mangas!

Não vou arregaçar as mangas! Já ando com elas arregaçadas há demasiado tempo...
Agora que até a Igreja pede que chova é que o Presidente quer que arregacemos as mangas, o homem parece andar de candeias às avessas...
Não sei se a Igreja ainda organiza retiros, mas seria bom que o fizesse e convidasse o senhor Presidente, não para perorar, mas para meditar em silêncio...
No caso, talvez chovesse e eu me visse obrigado a arregaçar as calças.

Entretanto, parece que os revolucionários catalães já andam a tratar do estatuto de refugiados políticos em Bruxelas. Esses nem necessitaram de arregaçar as mangas... Em Bruxelas, quem diria! Ainda se fosse na Coreia do Norte!

29.10.17

E se o edifício do Liceu Camões vier abaixo...

O Diretor teme que as obras só tenham início em 2019. 
Eu temo que o OGE 2018 esqueça mais uma vez o edifício do Liceu Camões. Provavelmente, lá constará uma verba  de 350.000 euros para estudos e projetos!
Há quantos anos andamos em estudos e projetos? Quanto é que já foi gasto em estudos e projetos? Há sempre alguém a ganhar com este tipo de impasse!

E se, entretanto, o edifício vier abaixo com inevitáveis perdas?
Lá teremos a ladainha costumeira. De pouco servirá, então, apurar responsabilidades, indemnizar quem de direito...
A responsabilidade é de ontem, é de hoje. Espero que não venham a responsabilizar o arquiteto Ventura Terra, pois, ao contrário do que pensa o atual Presidente, a culpa não é do país, é do estado que não cuida do nosso património...

E se os governantes não estão à altura, o melhor é dispensá-los...

28.10.17

"Fraternidade" federal

Embora haja quem insista que é necessário defender a identidade cultural, a verdade é que a cultura sempre foi de quem dispõe de ócio bastante, vivendo à custa do trabalho alheio...
A cultura, por mais que se valorize a sua dimensão popular, é um feudo dos ricos, apesar de, ultimamente, muitos revelarem um grau elevado de ignorância...
Um homem culto acaba de defender que a Espanha deveria criar um estado federal de modo a estancar a vontade independentista - leia-se a vontade do patronato rico, da alta burguesia e de uma comunicação social ávida de sangue...
O povo, claro, também sai à rua. Mas esse, já se sabe, ama a festa da rua. Só mais tarde é que se apercebe que a sopa continua a ser a mesma, do lado de fora do castelo...
Esse homem culto esqueceu-se, no entanto, que a haver um estado federal na Península Ibérica, nem a identidade cultural nos salvaria da "fraternidade" federal...
Cada um sabe de si! Ou talvez não!
De facto, a vassalagem dos últimos dias a Castela parece-me excessiva...

27.10.17

Equânime / assossec

«Aguardo, equânime, o que não conheço -
Meu futuro e o de tudo.
No fim tudo será silêncio, salvo
Onde o mar banhar nada
Ricardo Reis

Uns estão eufóricos com a nova República da Catalunha, outros, tristes... Quantos? Não sei.
Uns estão eufóricos com o novo Estado Catalão, outros, tristes... Quantos? Não sei.

Só sei que a República proclama-se, e simbolicamente é expressão de atualidade.
Quanto ao novo Estado, será mais difícil construí-lo... e há por aí tantos Estados falhados, a começar pelo Português.
Afinal, no momento, o Estado Catalão é expressão de virtualidade...

Entretanto, surgiram dezenas de comentadores a apelar ao respeito pela Lei. Qual?
- No fim tudo será silêncio, salvo / Onde o mar banhar nada. 

26.10.17

Presentismo e absentismo

La expresión presentismo laboral, que define el hecho de pasar más horas en el lugar de trabajo de las exigidas por la jornada laboral, en muchos casos por temor a perder el empleo...


O número de baixas em Portugal é assustador, embora ninguém conheça a sua verdadeira dimensão... Porquê? 
Consta até que o Estado quer poupar 60 milhões de euros, em 2018, reduzindo significativamente o número de baixas fraudulentas. Mas como?
Por outro lado, há quem permaneça mais horas no local de trabalho do que as contratualizadas, mas  pouco ou nada fazendo. Não sei se por moto próprio se por decisão das chefias... Ou será por medo de perder o emprego?

De qualquer modo, gostaria de conhecer a verdadeira motivação de Jean P.

Um funcionário de um supermercado Lidl em Barcelona foi despedido por trabalhar horas... a mais. Jean P. foi dispensado por que entrava mais cedo ao serviço, para preparar a loja para a abertura, e violou as normas da companhia.
Segundo a investigação da empresa alemã, às vezes Jean chegava ao local uma hora antes do relógio de ponto acordar. "Fazia encomendas, mudavas preços, repunha prateleiras inteiras de artigos", lê-se na carta de despedimento a que o jornal "El País" faz referência.
Durante uns dias em abril deste ano, a empresa observou o comportamento de Jean. Através das imagens de videovigilância, concluiu que chegava à loja entre "49 a 87 minutos" antes da hora para trabalhar, sem registar o tempo de trabalho fora de horas.
Este comportamento é contrário à norma "cada minuto que se trabalha, paga-se e cada minuto trabalhado deve ser registado", argumenta a empresa na carta de despedimento, fundamentada em "incumprimentos laborais graves". Despedimento

Pelo que me diz respeito, vou passar estar mais atento à minha tendência para passar mais tempo no local de trabalho do que aquele a que legalmente estou obrigado e, sobretudo, vou começar a cronometrar o tempo que gasto em casa com a atividade profissional...

25.10.17

O piolho

Antigamente, havia quem procurasse deliberadamente o piolho, não porque não houvesse mais lugares na sala de cinema, mas porque lá certas liberdades eram toleradas...
Hoje, voltei a lembrar-me do piolho ao verificar que certos jovens avançam decididamente para a última fila da sala de aula...
Do que lá se passa, o melhor é não averiguar. 
Tal como outrora, estes jovens não gostam de ser incomodados e não sentem qualquer remorso se incomodarem os restantes...

24.10.17

Quão diferente seria...

O que me surpreende não é que o CDS apresente uma moção de censura ao Governo ou que Costa ande a dar emprego aos amigos, a mim, o que me surpreende é que, ao abrir a porta de um prédio na Rua Tomás Ribeiro, Lisboa, esperando que entrem três pessoas, uma delas tenha parado diante de mim e me tenha perguntado se eu habito naquele prédio e se não me chamo Manuel Cabeleira Gomes - assim, de súbito, exclamando para a filha: - Olha, este senhor foi meu professor há 40 anos, em Mafra! Foi meu professor de Literatura Portuguesa!
Olhei-a e procurei, no seu rosto de senhora de mais de 50 anos, traços da adolescente de antanho e fiquei com a sensação que conseguia recordá-la, jovem adolescente, atenta e, sobretudo, com uma enorme vontade de aprender...
E fiquei a pensar naqueles jovens de hoje que, desatentos e desinteressados, não chegam a saber o nome dos professores, quanto mais o meu!
Quão diferente seria, profissionalmente falando, para deixar impressão tão duradoira nos jovens daquele tempo! Que pena que eu tenho que a minha memória não guarde, pelo menos, os rostos de todos aqueles que sempre manifestaram vontade de ir mais além!

23.10.17

A caminhada sem girassol

Sem girassol, o meu olhar é turvo. Só vislumbro, nos rasgões que abrem para o longe, formas imperfeitas; só oiço acusações de falta de amizade, de falta de educação - na rua, o que ganham em intensidade perdem na distância dos interlocutores...
E eu caminho, caminho para distender os músculos e aliviar a tensão ou talvez o esforço por compreender não o outro, mas o modo de lidar com a depressão... Essa depressão sazonal que só quer adormecer, mas que, lá no fundo, é uma nova forma de poder... que imobiliza, que asfixia até a um ponto que só a caminhada pode combater...

22.10.17

Refrear e enganar

Numa manifestação realizada ontem, no Terreiro do Paço, os manifestantes aproveitaram para desatar à pancada. Pelo que vi, as forças da ordem, esforçadamente, lá os separaram... Bem sei que estas forças foram criadas para assegurar a ordem! De qualquer modo, quero crer que, nestas circunstâncias, o melhor seria deixá-los esgotar as energias, pois,  um destes dias, vamos vê-los a acolitar gente manhosa que aspira a ser poder, a ser governo. E para quê?
Bernardo Soares (Fernando Pessoa) é esclarecedor:

«O governo assenta em duas coisas: refrear e enganar. O mal desses termos lantejoulados é que nem refreiam nem enganam. Embebedam, quando muito, e isso é outra coisa

Parece-me claro que alguém anda a desenhar um frente-a-frente entre a direita e a esquerda, em nome da chamada alternativa democrática, mas em breve será a extrema-direita a sorrir, como já está a acontecer um pouco por toda a parte... 
E como bem sabemos, a bebedeira é inimiga da memória!

21.10.17

Quem não sabe é que decide!

Milhões e mais milhões para compensar perdas humanas, de animais e haveres; para compensar empresas e empregados... para tudo o que estava, quase sempre, mal. E para reorganização do território, pouco se sabe...
Há por aí quem pense que basta dar uns milhares de euros às vítimas, reconstruir as casas e as fábricas, plantar uns milhares de árvores, restabelecer a luz elétrica e as comunicações, mas, infelizmente, isso é o mais fácil...
Reorganizar leva tempo, exige projetos e, sobretudo, o envolvimento de quem tem capacidade para executar. Em Portugal, há conhecimento e há empresas internacionalizadas que poderiam dispor de 15 ou 20% dos seus recursos para tal efeito... Mas não vejo que o poder político tenha lucidez suficiente para entregar tal programa de reorganização a quem sabe...
Quem não sabe é que decide!
E ainda há os abraços, os minutos de silêncio, as manifestações ora silenciosas ora espalhafatosas...

20.10.17

Há comportamentos que não entendo

Há comportamentos que não entendo e que já não menciono. Se ousasse escrever uma novela, talvez revelasse aquilo que certos jovens tanto procuram deixar a nu. Não sei se o fazem gratuitamente ou se porque alguém lhes sugeriu que essa era a técnica mais adequada à melhoria de classificações... Não creio, porém, que o objetivo seja regressar ao estado primitivo, pois os acessórios de marca nada revelam do estado vegetal inicial...
Há outros comportamentos que não entendo e que resultam de não compreender a vantagem que se possa tirar de começar tão jovem a copiar... Hoje foi um desses dias em que me vi no papel de polícia de ronda, inofensivo e com vontade de zarpar.
Mas esta minha incompreensão é um pouco artificiosa, pois sei muito bem que o sucesso está cada vez mais associado ao parasitismo...
Entretanto, acabo de me lembrar que voltei a confrontar-me, numa turma de 12º ano, com um grupinho da sueca.

19.10.17

Acender e deixar arder

Acender e deixar arder são dois atos indissociáveis, mesmo que os sujeitos possam ser distintos.
Apagar, só as casas se ainda sobrarem acessos e ainda houver água nos depósitos terrestres e aéreos. E depois esperar que as nuvens de fumo não reduzam a visibilidade a zero.
Com a floresta a arder, os acessos inutilizados e o céu que nem breu, só resta esperar, deixar-se filmar e contar as vítimas... e depois chafurdar na lama...
A estratégia escolhida não é de agora, é dos dias em que a gente lorpa se apoderou da governação, sem qualquer tipo de formação e que se algum grau académico possui é porque o adquiriu numa  das muitas chafaricas de ensino que foram abrindo de norte a sul do país de abril...
No entanto, essa gente lorpa sempre odiou a escola, tudo fez para a vulgarizar e desclassificar... Essa gente lorpa que organiza as praxes, que alimenta as juventudes partidárias, que inferniza a vida daqueles para quem o mérito se atinge pelo trabalho e pelo estudo...

18.10.17

É tudo tão absurdo!

Já não consigo nem vê-los nem ouvi-los. Abrem a boca e eu desligo a TV.
Desde os noticiários aos programas de encher chouriços, é tudo tão absurdo que o zapping esgota as pilhas do comando à distância. Por vezes, até pareço o Álvares de Campos da Ode Triunfal antes do seu coração se ter quebrado sem motivo real.
E escrevo "é tudo tão absurdo" num dizer superlativo inexplicável. Se é absurdo, para quê acrescentar tão?
O absurdo não é mensurável! É ou não é, simplesmente. E o que o é, não necessita de graduação.
Por exemplo, é absurdo, para mim que não para certos políticos e gestores bancários, haver investidores que não dispõem de capitais próprios, mas que não desistem de pedir empréstimos que sabem nunca vir a amortizar...
E também é absurdo que haja investidores que não dispõem de capitais próprios, isto sem me querer pronunciar sobre o material militar que foi recuperado sem nunca ter sido roubado... 

17.10.17

Um presidente incendiário

Depois dos pirómanos, dos vampiros, das chefias incompetentes, da amnésia dos antigos governantes,  da pesporrência ministerial, do fundamentalismo dos relatórios científicos, eis que acaba de se pronunciar o presidente dos afetos que, afinal, se revela um incendiário político...
De imediato, a grande maioria dos comentadores acerta o tom e dá início à época das loas....

16.10.17

A nau Catrineta não volta mais

Ao calcorrear o país durante muitos anos, a imagem gravada era a de uma terra diversa, rica florestalmente, embora maltratada pelo primitivismo dos seus habitantes e, sobretudo, por projetistas em busca do el dorado.
Não será difícil perceber que o empreendorismo português, nos últimos 40 anos, não olhou a meios para capturar recursos, destruindo caminhos e linhas de água e, sobretudo, construindo vias rápidas que trouxeram consigo a desertificação.
As populações residentes, cada vez mais reduzidas, viram desaparecer a escola, o posto de correio, o mercado, a mercearia e a taberna, a agência bancária, e até as ermidas se tornaram apenas objeto de romarias estivais dos emigrantes que por alguns dias regressavam ao lugar que os viu nascer - o progresso, a austeridade, a troika, o centralismo...
Agora, já não é só o pinhal do interior, é também o de D. Dinis que é devorado pelas chamas gulosas dos abutres, políticos e seus comparsas.
Com a chegada do inverno, chegarão as marés vivas que não olharão a dunas e a edificações alcandoradas. O mar entrará terra adentro e destruirá tudo o que se lhe opuser... e depois alguém gritará que a culpa é das alterações climáticas.
A verdade é que a culpa é nossa, porque não sabemos escolher os governantes. Gostamos dos incompetentes, dos demagogos, dos manhosos, dos intriguistas e até dos corruptos, sem esquecer aqueles que, de tempos a tempos, nos dão com o pau...

15.10.17

A Acusação

Estive a folhear a Acusação e fiquei com a ideia de que, afinal, neste país, há pessoas com muito espírito empreendor. 
O crescimento dos negócios é de tal ordem e tão célere que a velha de ideia de que o catolicismo sempre fora um entrave ao desenvolvimento industrial e comercial se me apagou. Vou deixar de ler o velho Antero das Causas da Decadência dos Povos Peninsulares... (Terei, entretanto, encontrado a explicação para o facto do Partido Socialista, nascido na Alemanha luterana, nunca reivindicar a herança da Geração de 70 do século anterior...)
Por outro lado, parece que o crescimento do negócio transfronteiriço é inseparável da criação de fortes laços de amizade, mesmo nos casos em que as relações terminam em divórcio. Há ainda um outro dado a não descurar, a província leva a palma à capital na sua capacidade de expansão e de internacionalização. E não menos importante, os amigos tudo fazem para promover a formação do Amigo Maior, mesmo que este ame o fausto e a prosápia...
Finalmente, começo a desconfiar que a fraternidade é tão profunda que há amigos tão poderosos que nem sequer são mencionados pela Acusação. Pelo menos, o localizador não os conhece pelo nome que lhes terá sido dado na pia batismal...
(Um destes dias, voltarei à Acusação!)

14.10.17

Ontem, senti pena do jornalista Vítor Gonçalves

Ontem, senti pena do jornalista Vítor Gonçalves. Senti que na sua contenção morava uma alma isenta e nobre que, de algum modo, desejava que o seu entrevistado se redimisse.
Mas era absolutamente impossível cumprir o guião. Ao entrevistado pouco interessavam as perguntas; as suas respostas apenas visavam encobrir as causas da megalomania que deixou um país de pantanas...
A certa altura, apeteceu-me regressar a Platão e reler os diálogos socráticos, em que o filósofo utiliza os seus interlocutores para os rebaixar, expondo-lhes a mediocridade e a sordidez dos seus pensamentos...
Sem público, Sócrates não existiria, e é isso que explica a necessidade de controlar o entrevistador, exigindo-lhe submissão e denegrindo-o.
Afinal, o público ama a megalomania e a hipocrisia do poder...

12.10.17

Em dois pés

Nada avança, nem sei se não será melhor assim.
À volta é só especulação e depressão!
Uns presos ao passado, outros a um futuro impossível.
Por mim, cansado de formular perguntas e de fazer reparos, creio que o melhor é desligar, e, de preferência, em dois pés, desatar a andar... seguro, no entanto,  de que não irei longe.
Até que um dia lá terão que se habituar!

11.10.17

Um romance com 4000 páginas é obra!

Bem sei que uns tantos juristas desistiram do Direito para se dedicarem à Literatura. Outros, como a Literatura não mata a fome, lá foram vivendo com um pé num lado e outro no outro, mas sem grande arruído...
Hoje, ouvi, no entanto, um advogado afirmar que a acusação no "caso Marquês" não passa de fantasia, de um romance com 4000 páginas...
Um romance com 4000 páginas é obra! O que é que terá passado pela cabeça do romancista? Não vai ser fácil encontrar leitores com tempo e fôlego para fruir tal obra... 
Face a tal desconchavo, vou esperar que o engenheiro Sócrates não seja condenado por ter escolhido mal o crítico literário. 
E já, agora, recomendo que uma obra de tal dimensão seja lida longe dos meios de comunicação, dita, social, para não envenenar a populaça...

10.10.17

Carles Puidgemont, uma figura messiânica?

Fui ler o artigo da Wikipédia sobre Carles Puigdemont i Casamajó, e o que me desperta a atenção é a sua formação, o seu percurso profissional e político centrados na identidade cultural catalã, como se estivesse a ser preparado para a cumprir o destino nacionalista... Uma figura messiânica?
Quanto à aspiração catalã de independência, ela não me surpreende, pois se não é tão antiga como a portuguesa, anda lá perto. Como se sabe, no século XVII, a restauração da independência portuguesa só foi possível graças à subjugação da Catalunha. Se os ventos independentistas tivessem soprado de outro modo, o rumo português teria sido certamente bem diferente!
Apesar de ser defensor de uma Ibéria reunida num estado federal, creio que, do ponto de vista português, no contexto atual, a Catalunha satisfaz as condições para declarar a sua independência e de que nada serve esperar que Castela lha reconheça...
O que me preocupa, no entanto, é o messianismo de que Carles Puidgemont parece investido...
(...)
Está declarado o estado de nevoeiro - temos agora um novo conceito: A República da Catalunha suspensa...

8.10.17

Na minha vida de campónio

O sargaço e o pilado

«Minha alma é lúcida e rica
E eu sou um mar de sargaço
              Fernando Pessoa

Compreender a ideia ( a metáfora) pressupõe uma experiência do leitor que, muitas vezes, este não detém.
No meu caso, por exemplo, levei algum tempo a interpretar o verso, pois nunca me passara pela cabeça que o sargaço pudesse ser uma alga utilizada como fertilizante, tal como o pilado (caranguejo voador)...
Na minha vida de campónio, o mar era uma miragem, os adubos químicos eram caros, e o único fertilizante natural era o estrume. 
Imagine-se, agora, que eu era aprendiz de poeta e ousava escrever "Minha alma é lúcida e rica» / E eu sou uma courela de estrume
Já estou a imaginar a jovem professora, algarvia e marítima, Lídia Jorge, a dizer-me "o menino está a assassinar a poesia..."

Em tempo de agricultura biológica, será que o jovem leitor ecologista terá tempo para recuar à época em que não havia adubos químicos e, sobretudo, para se googlar  e observar atentamente: 
Sargaço
Hoje, dispomos de tantas ferramentas que é pena que as escolas não estejam devidamente equipadas para suprir as insuficiências que nos distanciam de outrora... Por exemplo, amanhã, se quiser utilizar este post, o mais provável é que o computador tenha adormecido ou que o sinal de Internet seja tão fraco que a estratégia morra no momento... e a Escola a que me refiro, em particular, está localizada em Lisboa a 100 metros da sede da Altice - ou será da PT?

7.10.17

E depois há o leitor

Observemos o seguinte fragmento do Livro do Desassossego:

«Para alguns que me falam e me ouvem, sou um insensível. Sou, porém, mais sensível - creio - que a vasta maioria dos homens. O que sou, contudo, é um sensível que se conhece, e que, portanto conhece a sensibilidade.»

Nele, as emoções são objeto de fina análise, através da imaginação verbal, o que lhes dá uma poeticidade única. 

(E depois há o leitor que insiste na identificação, umas vezes, narcísica, outras vezes, malévola, sem esquecer o leitor besta, mas doutorado... )

6.10.17

Competência essencial

Saber interpretar é uma competência essencial. Fernando Pessoa é um dos maiores intérpretes da condição humana. Fê-lo com um rigor inexcedível. Todas as suas "máscaras" são a expressão de um espírito geométrico que permanentemente procurou desmascarar o conhecimento tido como definitivo...
Nos tempos que correm não basta escrever sobre esta convicção, é necessário saber ilustrá-la... e mesmo assim!
Vem este arrazoado a propósito da resolução, inscrita no manual Sentidos 12 (versão professor), da seguinte pergunta: - caracterize o sujeito poético, justificando a sua resposta com elementos textuais pertinentes: O sujeito demonstra alguma confusão interior como se percebe pela primeira estrofe quando afirma "Tenho tanto sentimento / que é frequente persuadir-me de que sou sentimental..."
O problema é, no entanto, outro. Bastaria saber que a referência de sentimento é, à luz do conhecimento da época, distinta da de sentimental. É sentimental todo aquele que se deixa conduzir pelas sensações, pelas emoções... Por outro lado, o sentimento, embora possa ter origem na sensação, é uma realidade mental, drenada pela razão; é fruto da autoanálise e da imaginação: Mas reconheço, ao medir-me / Que tudo isso é pensamento / Que não senti afinal
Onde é que paira a confusão interior?
(...)
O que este poema demonstra é que o homem, por mais que racionalize, não tem qualquer ferramenta que lhe permita saber distinguir a vida verdadeira da vida errada, mesmo se as Ciências Humanas (Teologia, Filosofia, Psicologia...) insistem em defender que os sentidos são fonte de erro e a razão fonte de certeza, de verdade...

5.10.17

Preocupante

Quando tanta gente ignora o que é o sebastianismo, anda por aí um político que ainda não regressou à toca, mas que já promete voltar... E enquanto não regressa, procura-se um cordeiro que por ele se imole...

A Academia sueca diz que o Prémio Nobel de Literatura de 2017, Kazuo Ishiguro, é uma mistura de Jane Austen, Franz Kafka e de Marcel Proust... Uma mistura! Estou em crer que o António Lobo Antunes, para a Academia sueca, deve ser uma máscara do Rui Rio.

No dia República, também se celebra o dia do Professor. Nunca percebi porquê. Será porque a República os trata tão mal?

Em Espanha, continua o conflito entre o estado central e uma das regiões autonómicas. Será que ambos sofrem de amnésia?

Entretanto, já há previsão do número de mortos para o caso da Coreia do Norte insistir no confronto militar. Mais de dois milhões!

« A nossa inteligência abstrata não serve senão para fazer sistemas, ou ideias meio-sistemas, do que nos animais é estar ao sol.» Fernando Pessoa / Bernardo Soares

4.10.17

Da compreensão

"... uma zebra é impossível para quem não conheça mais que um burro." Fernando Pessoa / Bernardo Soares 

Nenhum burro está obrigado a reconhecer a existência das zebras. Com ou sem palas, o burro apenas procura o pasto, mesmo que tal signifique afastar-se do caminho. Na verdade, o burro nem sequer procura o espelho, só lhe interessa a cumplicidade asinina...
Se lhe passarmos a mão pelo pelo - ai o (des)acordo ortográfico! - a resposta é imprevisível. Vai do coice ao relincho!

Perguntaram-me hoje por que motivo não escrevia um livro. Fiquei sem avançar qualquer explicação, embora tenha pensado que, talvez, por preguiça ou, sobretudo, por desencanto...
Um livro para quê? Há tantos e tão maus, e se algum revela alguma qualidade é tão maltratado.

3.10.17

Por lá e por cá...

Por lá, Catalunha, greve geral contra o governo central de Espanha.
Por cá, notícia de que Passos Coelho vai recolher à coelheira.

Como acordei muito cedo, não me sinto capaz de avaliar os efeitos de tais comportamentos. De qualquer modo, o Governo de Madrid revela não saber ouvir as vozes do dissídio, tal como Passos Coelho não soube, atempadamente, tirar ilações do dia em que ganhou as eleições nas urnas e as perdeu no Parlamento...
E quando assim é, por muito que os adversários cantem vitória, os prejuízos são sempre irreparáveis...

Agora, sim, toca o despertador

Acordo, mal adormeço, mas só tomo consciência disso quando olho as horas. Preocupa-me a gata, não vá acordar do sono pesado e relutante quem não deve. Adormeço.
Volto a pegar o sono, mas os miados alertam-me para o perigo que só diminui quando a bicha se aninha no meio das minhas pernas.
Adormecemos, parece que o tempo decorre sossegadamente, mas agora é o calor de outubro, a boca seca que interrompem aquilo que costuma obedecer às leis do despertador.
Dou uma olhadela à lista dos amigos facebookianos despertos e, espanto, são vários, alguns da vida real que entram no trabalho à mesma hora... O que estarão a fazer, despertos a esta hora?
Pego no Livro do Desassossego e lembro que o volume, quebrado, que folheio, nunca chegou a ser um livro nas mãos de Bernardo Soares que, de verdade, não as tinha... folhas soltas, pedaços de deambulações plasmadas em fragmentos - plasma ou talvez magma de outras vidas, também elas imaginadas....
Agora, sim, toca o despertador. Foge-me a  página, insisto e registo  o que não é meu nem dele:

«Ah, outro mundo, outras cousas, outra alma com que senti-las, outro pensamento com que saber dessa alma! Tudo, até o tédio, menos este esfumar comum da alma e das coisas, este desamparo azulado da indefinição de tudo!» Bernardo Soares

2.10.17

Há por aí muitas caçadeiras já obsoletas...

A caça ao voto já terminou. Há caçadores mais satisfeitos do que outros e muitos de mãos vazias.  Agora, é esperar que os coelhos e as perdizes voltem a crescer, caso o Céu saia da sua impassibilidade e se digne regar os campos, já que os citadinos passam bem sem chuva...
Por mim, os resultados da caçada são os possíveis, pois, em democracia, há que aceitar a decisão do povo, até porque este povo é múltiplo nos interesses e nos anseios, sendo sonho maior deixar de ser caça e passar a caçador...
Finalmente, sinto que há por aí muitas caçadeiras já obsoletas, incapazes de deixar o terreno. De qualquer modo, o tempo se encarregará de as  encravar de vez...

1.10.17

A votos, em Portugal e na Catalunha

Lá fui votar. Cedo. Afluência reduzida.
Regressei duas horas mais tarde, mas não para votar, descansem. As filas tinham engrossado como já não via há muito.
Perplexo, pus-me a pensar na causa. Será expressão de um acréscimo de responsabilidade cívica? 
Mais logo, saberemos.

Entretanto, a nação catalã não desiste de mostrar ao estado espanhol que deixou de confiar nele e este vai dando provas de que não sabe negociar. E quanto ao rei espanhol, o que será feito dele, perguntará o ditador Franco...
Creio que a opção monárquica de Franco visava assegurar a união das nações... ou seria das freguesias?

30.9.17

Suspendo a má razão destes últimos anos

(Não era isto que eu queria referir. Absurdo, isto sem antecedente...)
Tive, quando, por perto não tinha papel nem caneta, intenção de mostrar os cogumelos que no dia anterior tinham desabrochado no velho tronco, só que, naquele momento, apercebi-me que alguém os tinha destruído, provavelmente, à biqueirada. Ainda saquei da câmara fotográfica, mas a manhã cinzenta ou a falta de jeito devolveram-me uma imagem imprecisa - e essa imagem persiste, embora não seja editável.
Tudo surge impreciso nos bastidores da certeza anunciada. E eu, descrente, medito sobre todos aqueles que nunca puderam votar, sobre todos os que perderam a vida para que todos pudéssemos votar. Suspendo a má razão destes últimos anos e conto os metros que me separam da mesa de voto, de todas as mesas de voto, não vá surgir alguém que as queira suprimir, como está acontecer nessa outra parte da Ibéria intolerante...

29.9.17

É isso!

De um lado, os sentidos, as sensações, as emoções, os sentimentos - o coração. Do outro, as imagens, as representações, as combinações - a razão...
No meio, o distanciamento, a rutura, o jogo. Como resultado, essa coisa linda que é a obra, o poema, o quadro, a estátua, a sinfonia...
Se fica acima, se fica abaixo, pouco interessa porque, afinal, a terra é um corpo no firmamento e nós, perdidos, apenas, podemos jogar no balanço da deriva para evitar a depressão e  a solidão a que nos condenámos ao querermos matar a transcendência....
Para trás, vão ficando Comte, Marx, Darwin, Nietzche, Freud, Marcuse, Lacan, Foucault ... Eles cantavam sem razão na soberba dos dias.

Depois, há ou não há interesse, curiosidade, vontade de traçar um projeto, de se libertar de enleios, de se atirar para os braços de um eu coletivo que dê asas à loucura, à doença das nações... Nova transcendência que nos culpe, nos desculpe, nos redima....
Em Camões ou em Pessoa, lado a lado, caminham a identidade individual e a identidade coletiva, sempre a tentar adivinhar o futuro...

27.9.17

Take 2 do projeto de intervenção na Escola Secundária de Camões

«Se não sabemos em direção a que futuro o presente nos leva, como poderemos dizer que este presente é bom ou mau, que merece a nossa adesão, a nossa desconfiança ou o nosso ódio?» Milan Kundera, A Ignorância

Ao ouvir o arquiteto Falcão de Campos referir-se  ao take 2 do projeto de intervenção na Escola Secundária de Camões, surgiu-me de imediato a pergunta de Kundera, reformulada: Como poderei dizer que este projeto é bom ou mau?
Do que mostrou do (novo) projeto - condicionado pelo número mágico 11 milhões de euros - tudo me pareceu fazer sentido na perspetiva da preservação do património.
Só não sei (e como sabê-lo?) se a escola, tal como a experimentamos atualmente,  continua a ter futuro... No íntimo, estou em crer que não. Em termos de programação logística do ensino, provavelmente estes espaços tornar-se-ão obsoletos. 
No entanto, hoje, estou com aqueles que querem ver o projeto do arquiteto Falcão de Campos concretizado, nem que seja por uma questão de justiça e, sobretudo, de segurança...

26.9.17

Surpresa!? Não vejo como...

João Lourenço enumerou vários países que considera estratégicos para o governo angolano, como os Estados Unidos, a China, a Rússia, o Reino Unido e Espanha, mas surpreendentemente ou não, não fez qualquer referência a Portugal. A parceria luso-angolana

Não creio que o novo presidente de Angola se tenha esquecido de Portugal. A verdade é que Portugal precisa mais de Angola do que o contrário. E sempre foi assim desde que o Brasil se tornou independente...
O resto é conversa de comadres desavindas! E claro, o resto também é reflexo do modo como certos vassalos limparam o tesouro de cada um dos estados, criando uma fraternidade indissolúvel, mas que convém agitar um pouco para que os povos acreditem que aos seus governantes (agora, democraticamente eleitos!) só interessa o bem comum e... um banho revigorante nas velhas águas atlânticas...

25.9.17

O regresso dos dinossauros

Não quero tecer grandes comentários. É um género desacreditado, tantos são os comentadores.
Quero, no entanto, deixar aqui um reparo: aborrece-me que os dinossauros estejam de volta.
A voracidade deles é tão grande que muitos dos munícipes acabarão por ser devorados... 

24.9.17

Não gosto nem do meio nem do conceito

É com tristeza que recebo a notícia do falecimento de D. Manuel Martins, grande referência da consciência social. https://twitter.com/antoniocostapm

Detesto que o primeiro-ministro de Portugal reaja à morte de um dos prelados mais ilustres do Portugal de Abril através do twitter. (Não me estou a referir à reação do cidadão António Costa...)
Detesto a restrição imposta pelo adjetivo "social". D. Manuel Martins travou um combate na diocese de Setúbal que, de verdade, era "político" na verdadeira aceção do termo...

23.9.17

Apagamento clarificador

Com a chegada do outono, decidi iniciar a poda antes que as folhas apodrecessem. E a poda foi significativa, pois muitos dos amigos apagados, que figuravam na minha extensa lista facebookiana, há muito que deixaram de dar sinal... Alguns, provavelmente, nem saberiam que estavam associados ao meu perfil...
Espero com tal gesto não ter defraudado algum seguidor silencioso.
Isto não significa que tenha decidido acabar com a amizade de quem quer que seja. Apenas, decidi pô-la à prova... 

22.9.17

A missão de Portugal no mundo e A Ignorância de Milan Kundera

«Os escandinavos, os holandeses, os ingleses gozam do privilégio de não terem conhecido qualquer data importante desde 1945, o que lhes permitiu viver um meio século deliciosamente nuloMilan Kundera, A Ignorância, 2000, Parte 3

Leio atentamente o trabalho de contextualização da migração da personagem checa para Paris. Fixo cada data, cada bloco político, cada estado, cada conflito e de súbito interrogo-me sobre qual era o lugar de Portugal no mundo de Milan Kundera e concluo que estivemos fora - nem sequer há referência à guerra colonial de 1961 a 1974..., uma guerra a que a União Soviética não foi de modo nenhum alheia...

1914 (início da I Grande Guerra); 1918 (independência da República Checa); 1936 (início da Guerra Civil Espanhola); 1938 (termo da independência da República Checa); 1939 (início da II Grande Guerra); 1948 ( sob a influência do Terror comunista, ressurgimento da República Checa; os Jugoslavos batem o pé a Estaline); 1956 (invasão russa da Hungria); 1968-1969 (ocupação da República Checa pela Rússia); 1989 ( termo da Guerra Fria), os russos abandonam a República Checa e os restantes regimes comunistas - URSS); 1991( República Jugoslava - começam todos a assassinar-se uns aos outros...

É isso! Continuamos convencidos de que tivemos e continuamos a ter um papel no mundo, mas basta ler um romance mais ou menos engajado para perceber que já não existimos... Ou será, apenas, ignorância de Milan Kundera?

21.9.17

Se me preocupo...

Estou em dificuldades: não consigo, sociologicamente falando, aproximar-me da média atitudinal. Por mais que pense que o meu interesse particular corresponde ao interesse coletivo, não obtenho resposta que confirme tal ideia. 
Por mais que pense que vale a pena agir em função de uma visão global, verifico que tudo está determinado pelo interesse individual.
Se me preocupo com o destino da Ibéria, há logo quem me diga que o problema não é meu. Quando tento explicar que, aqui ao lado, e não nos antípodas, há um estado (espanhol) constituído por várias nações e que estas são, em regra, configurações grupais anteriores à formação do estado castelhano, o desinteresse é manifesto. 
Quando procuro explicar que o fenómeno do nacionalismo já teve como corolário múltiplas guerras sangrentas, fico com a sensação de que estou cercado por muita gente que (des)valoriza a GUERRA...
Quando arrisco que nem tudo depende do contexto e que este nem sempre é relativo, olham para mim como se fosse o E.T....
Afinal, se começar a descascar uma cebola, há sempre um momento de fixação inicial... e este é radical...

20.9.17

A carreira 722 e a abstenção no dia 1 de outubro

Certo dia a carreira 22 da Carris passou a 722 em homenagem às míticas 7 colinas de Lisboa. Entretanto, as obras na Zona do Marquês de Pombal impuseram um encurtamento do percurso que passou a efetuar-se entre a Praça de Londres e a Portela (de Sacavém, Loures)...
O povo lá se foi adaptando na esperança de que, terminadas as obras, os "donos" da Carris restabelecessem o itinerário, mas nada disso sucedeu...
Porquê? Ninguém sabe!
A autarquia diz que luta para que a linha do Metro seja alargada até Loures, passando pela Portela e Sacavém. Quanto a essa reivindicação, todas as forças políticas locais parecem estar de acordo, embora não se saiba se o metro algum dia chegará a esta zona, mas sobre a carreira 722 ninguém abre a boca - uma medida justa, imediata e barata que poderia melhorar a ligação da periferia ao centro da cidade e vice-versa...
Eu, por mim, sinto-me desprezado pela Carris e pelas forças políticas que se digladiam pelo controlo do poder autárquico no concelho de Loures e, como tal, começo a acreditar que, não podendo votar contra, o melhor é abster-me... até porque as restantes carreiras, 782 e 728, também não servem devidamente a população, a primeira é intermitente e a segunda só aparece quando o rei faz anos...

19.9.17

De ocasião


Tempos houve que por aqui vivi... Quando, hoje, passo, já só vejo gente apressada, portas e janelas fechadas... e obras de ocasião para turistas de ocasião...
A maioria  das pessoas desse tempo já partiu... 

18.9.17

Tombar, pétala a pétala...

As pedras, uma a uma, podem armar o poema, tal como a flor, pétala a pétala, ou a cor, do azul ao cinzento, emparelham ou alternam...
Só que a ideia esmorece se lhe falta o cimento...
Uma ideia, fora do contexto, até pode ser flor, cor, lágrima, pavilhão G.
Só que a ideia esmorece se lhe faltar a intenção, o rumo, o horizonte...
A ideia, bem enlaçada, até pode ser deia, mas faltar-lhe-á a cor, mesmo se, por acaso, for raiz, tronco, copa e se perder nas fímbrias da abóbada...
Só que a ideia anoitece se a memória desaparece e, então, as pedras, por um instante, uma a uma, ainda poderão florir para, depois, tombar pétala a pétala...