13.11.14

Trust me, não me parece...

Hoje apresentaram-me Jeff Abbot ou melhor explicaram-me quão «viciante » pode ser a leitura das obras de tal autor. Na tradução portuguesa, a obra em causa intitula-se "Confia em Mim".
(...)
Jeff Abbott is the New York Times bestselling, award-winning author of many mystery and suspense novels. He has been called “one of the best thriller writers in the business” (Washington Post). 
(...)
Nos últimos anos, tenho sido testemunha de uma verdadeira paixão pela leitura de autores 'anglossaxónicos'. Cada vez que me apresentam uma nova "descoberta", imagino que o fascínio não é muito diferente daquele que certos animais sentem pela fava seca: cai bem no estômago e aumenta a adrenalina. Durante umas horas, a adrenalina sobe e a cavalgadura fica eufórica; depois cai no abatimento até que nova dose lhe volte cair no cocho...

Nesta mesma semana, também me apresentaram "Os Emigrantes" (1928) de Ferreira de Castro. Fiquei feliz com a opção, mas creio que fui só eu e aquele jovem que encontrou aquele romance lá em casa e ousou lê-lo, porventura, porque saiba que eu gosto pouco de romances em que "são todos bons rapazes e boas raparigas», mesmo que não saibam interpretar o verso de Pessoa: «nem o que é mal nem o que é bem».
Talvez porque rejeite a aculturação ou, mais grave ainda, a leitura como forma de alienação, ao chegar a casa, "castiguei-me" com a tradução d'  UN APERÇU DE L'HISTOIRE DES KURDES, par Kendal NEZAN, Président de l'Institut kurde de Paris, com a conclusão da leitura do estudo "Mobilización campesiña, clientelismo politico e emigración de retorno, de Raúl Soutelo Vasquez, e com o retorno a 100 Cartas a Ferreira de Castro, edição da Câmara Municipal de Sintra, onde numa delas, a propósito da leitura do romance Sangue Negro (1923), Raul Brandão refere: «o senhor escreve sem se deter em pormenores inúteis e escolhe sempre para o assunto, ao contrário do que fazem para aí todos os fúteis, problemas cheios de grandeza e humanidade. É alguém.» Cit. por Alberto Moreira, A Carta é de L. Consiglieri Sá Pereira.
O sublinhado é meu!