3.11.14

Pobre Infante D. Henrique, ao terceiro dia...

"Portugal muito beneficiou pelo facto de termos à frente da União Europeia um português, conhecedor da realidade portuguesa, conhecedor do mundo, e com o prestígio de Durão Barroso", afirmou Cavaco Silva antes de entregar ao ex-presidente da Comissão Europeia o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique.

Bem sei que num dos últimos dias "postei" uma definição de "clientelismo" que não teve qualquer impacto. Não resisto, contudo, a citar novamente o galego Raúl Soutelo Vásquez, autor do ensaio "Mobilización Campesiña, Clientelismo Político e Emigración de Retorno na Galicia Rural"
«A correspondencia recibida polos politicos que lideran unha rede clientelar indica que o deputado de turno era un primus inter pares que representaba os interesses dos notables que o elixiram e cos que mantiña estreitos contactos persoais e de família...»

Espero ainda poder ler a correspondência de Durão Barroso para poder aferir se foi Portugal que beneficiou da ação do Presidente da Comissão Europeia (2004-2014) ou se os verdadeiros beneficiados foram quem o empurrou para o cargo... notáveis estrangeiros, nacionais, empresariais, familiares...

E admitindo que Portugal beneficiou, quais foram os benefícios? E quem é que os recebeu?