29.6.08

O que não se vê...

Como na fotografia de Ribeira de Ilhas, assim a ribeira invisível se perde numa língua de areia que só chega ao mar se a maré estiver cheia. Surfista cansado, deslocado da imagem, procuro o que lá devia estar, mas só encontro estilhaços de uma pedra malvada que me lembra que, por maior que seja o esforço, há sempre um pedaço de asno capaz de nos acusar de soberba e vaidade...
A semana que termina rola, farta da pequenez e da mediocridade de pequenos diabretes, para a espuma enrolada de um oceano risível de imagens e de amálgamas audaciosas de um romance pós-colonial: Venenos de Deus, Remédios do Diabo, de Mia Couto. Uma escrita que, num humor refinado, nos penetra nas entranhas, deixando a nu a miséria mental humana, como se uma pedra da calçada nos estalasse o crânio, sem sabermos se definitivamente nos destrói a vontade.

22.6.08

O escritor-operário...

Hoje, fui ao Palácio da Ajuda... À porta, o rei D. Carlos I, que antes de ter sido imolado pela revolução, nos teria devolvido à Europa... Quem diria?

Na Galeria de Pintura do Rei D. Luís I, para lá da consistência dos sonhos, encontrei um Saramago metódico e, sobretudo, operário. O escritor-operário, tal como acontecera com os escritores realistas e naturalistas... A leitura seus dos registos de leitura é preciosa para a compreensão do ofício do autor.

Por outro lado, encontrei a memória de um país mesquinho, onde Mafra simboliza (séculos XVIII e XX) a megalomania de um rei, a manha do clero,  o conflito entre moralistas conservadores e ideólogos estrangeirados...

Pareceu-me que as mulheres de Saramago foram esmagadas pela estrangeira Pílar. E que Ilda Reis foi injustamente atirada para a sombra, como se sua pujança atrofiasse o criador.

Ficou-me, também, a sensação de que a literatura crítica é modesta para a extensão da obra do nobel (1998).

Finalmente, a timidez e altivez, típicas do ribatejano, atravessam as imagens, como se Saramago tivesse descoberto como esconder a nudez da sua presença..., uma presença convicta e impaciente por saber o que o espera. Que bom que seria que, afinal, as mentiras fossem verdade!

21.6.08

O ardis de Camões...

Nas estâncias 89 a 91 do Canto IX de Os Lusíadas, o Poeta persuade o censor. Os deuses da Grécia e da Roma antiga mais não eram do que homens de "fraca carne humana" que, pela nobreza  das suas acções, se tinham visto imortalizadados na memória dos restantes humanos. Estes deuses que pareciam rivalizar com o Deus da cristandade, afinal eram "fingidos" pela emoção (ou pela razão?) humana. O censor terá compreendido a mensagem...

E por isso, sabendo o Poeta que o homem português procurava a "fama" / a glória, convida-o à acção, a imitar os homens da antiguidade, porque se o fizer, também, terá direito à imortalidade dos deuses. Apenas lhe impõe um limite: não ceder à cobiça. Para o censor, este travão era o ouro que faltava  para que a obra fosse libertada de qualquer suspeita...

E para nós, deveria significar que o Poeta era um homem ardiloso, capaz de nos limites da heresia, mostrar a face cristã quando, de facto, o homem ( a humanidade) era a sua crença escondida.

As estâncias 92 e 93 do Canto IX ajudam-nos a compreender como Camões fez passar os Lusíadas pelas malhas da censura...

Mas nada disto interessa aos modernos censores: a leitura, ontem como hoje, continua muito superficial...

E de repente, dou comigo a pensar na blindagem  a que estão submetidos os mediadores. No seu inesperado silêncio...

18.6.08

Prova 639 / 1ª Fase

O erro dos anos anteriores acentuou-se.O esforço dos estudantes e dos professores é desrespeitado, porque um dos objectivos do Programa de Português é compreender, na MENSAGEM, a reescrita de OS LUSÍADAS, adaptada ao tempo decadente e caótico de Pessoa.

No primeiro quartel do séc. XX, o sono pátrio entontecia o Poeta, ao ponto deste ter escrito uma série de pequenos poemas cuja mensagem exortava o povo a despertar do «sono do ócio ignavo»...

A ideia da decadência do tempo português é uma constante na literatura portuguesa, alimentada de dentro e com consequências intoleráveis neste tempo global. Ora, ninguém melhor que a juventude pode expressar a vontade de ruptura necessária à sobrevivência da identidade portuguesa. No entanto, nesta prova, ninguém se lembrou desta hipótese de desenvolvimento temático.

Não vale a pena proclamar que o texto seleccionado não foi devidamente analisado, pois a grelha interrogativa não é gerada pela riqueza de conteúdo do texto literário. É uma grelha estereotipada que inviabiliza a avaliação das capacidades de compreensão, de interpretação e de expressão. Para que serve a estância 93? Para suportar a pergunta 4? No entanto, essa pergunta não permite que o estudante revele se compreendeu o pensamento de Camões!

Não vale a pena reclamar da amputação do texto de Luís Francisco Rebelo, já que José Saramago merecia comentador menos comprometido... Por outro lado, as respostas fechadas exigem itens menos manhosos, cuja solução não resulte de um raciocínio por  exclusão de partes. O acerto deveria revelar compreensão e não confusão, como aquela que se instalou na APP, impedindo-a de apresentar a resolução da prova, mesmo que o desencontro com o GAVE pudesse penalizar vis interesses...

Não vale a pena citar o Padre António Vieira quando é público que os jesuítas não reconheceram aos negros a mesma dignidade dos índios. Há certas citações de autoridades em questões de cultura e de literatura que, por vezes, dão que pensar. Esta prova trouxe-me à memória António José Saraiva, Óscar Lopes, Jorge de Sena, Carlos Reis... Há certos atropelos que são imperdoáveis!

Não vale a pena concluir que os professores que procuram cumprir os programas se sentem atraiçoados e que os estudantes mais aplicados são os mais prejudicados. Não vale a pena!

A literatura é, hoje, escrava da mediocridade. Camões, Vieira, Saramago foram convocados para um banquete que nem de trovas chega a ser.

12.6.08

Uma "raça" em dificuldade!

"Les difficultés sont des questions d’intellectuel et d’académie. Il n’y a pas que des difficultés en Afrique." Sembène Ousmane

Se até o Presidente da República, para evitar a actualidade / dificuldade, sente necessidade de se refugiar na linhagem, na estirpe, na raça... e nos convida ( eternos jogadores!)  a olhar, de soslaio, o Tejo e o Atlântico...

....................................................................

Em Portugal, qualquer obstáculo se torna, de imediato, numa dificuldade. A barreira convida-nos a saltá-la, mas nós preferimos cavar trincheiras, enfiar a cabeça na areia e ficar, por ali, a estrebuchar.

Perante o bloqueio, ficamos expectantes... zancamos no governo e reiteramos que a dificuldade é insuperável. Todos sabemos que o número de camiões que circula nas estradas é insuportável; que o custo desta circulação em vidas humanas e em termos ambientais já há muito ultrapassou o tolerável... mas não, em vez de levantarmos a cabeça, exigindo ao governo que seja inflexível e que desenvolva uma política de transporte menos onerosa e poluente, apostando na ferrovia, continuamos fascinados pela arruaça e pela grosseira saloiada.

As imagens dos piquetes, que arrancam condutores indefesos do interior dos camiões, mostram um povo à beira do abismo..., um povo incapaz de se adaptar às leis do mercado global e, sobretudo, incapaz de se defender de umas centenas de arruaceiros... porque, há muito, deixou de ter iniciativa, vivendo na sombra do estado-providência... um povo que espera que o seu futuro se resolva num campo de futebol, numa jogada de sorte...

8.6.08

Questão de última hora...

 

Num destes últimos dias, vários alunos perguntaram-me: «- O que é que pode sair no exame de Português?»

Respondi-lhes que não arriscava nenhuma indicação. No entanto, hoje, lembrei-me que os autores das provas de exame costumam gostar de efemérides. E no próximo dia 13 de Junho, 4 dias antes do exame de Português, faz 120 anos que o Poeta Fernando Pessoa nasceu.

O Poeta que, um dia, escreveu: «Quem não vê bem uma palavra / não pode ver bem uma alma

O Poeta que, por outro lado, acrescentava: «A orthographia etymologica é a expressão graphica da continuidade da nossa cultura (...) para fixação dos meios materiaes do Imperio, ha que adoptar a fixação da linguagem, e, antes de mais nada, a orthographia etymologica, excluindo as estravagancias simplificadoras creadas pela influencia da politica extrangeira.»

Se eu tiver razão, lá teremos milhares de alunos a tentar decidir, em duas horas, o que os génios da língua não conseguiram decidir em dezenas de anos!

E já, agora, pergunto: - O que é que os actuais alunos entendem de etimologia? Para Pessoa, a etimologia é uma espécie de seguro: mostra-nos as raízes da nação, do império. Se deixarmos de as regar, a pátria morre e o império perde-se nas brumas... E foi por isso que releu Camões, revisitou Vieira e foi viver com D. Sebastião nessa outra dimensão a que só a almas podem aceder...

Por isso, se os meus alunos voltarem a colocar-me a questão do que estudar, responderei: procurai o FUTURO em Camões e Pessoa, e não descureis Sttau Monteiro e Saramago..., pois, também, eles o procuravam na fogueira que iluminava os céus de Lisboa. 

Sem medo

A 8 de Junho de 1958, o General Humberto Delgado votou na "mesa" do Liceu Camões, ciente de que a sua candidatura não teria qualquer hipótese de vencer as eleições presidenciais, embora a "multidão" que o aguardava na Praça José Fontana indiciasse que o povo queria a mudança, ansiava pela liberdade.
A Escola Secundária de Camões, também, não deve esquecer o dia 18 de Maio de 1958, data do 1º comício do General Sem Medo, no Ginásio. Esse dia definiu os dois lados da barricada e acabou aos tiros nas ruas vizinhas, sem poupar a rua Gomes Freire d'Andrade... Coincidências! - deverá pensar um aluno do 12º ano, a braços com "Felizmente Há Luar!...
Estas efemérides fazem parte da "cultura" da Escola, tal como a participação desta instituição no Museu Oriente deve ser registada, apesar da fraca visibilidade da sua colaboração. Diga-se, de passagem, que o Museu Oriente está a agir mal, quando, num Domingo, o Serviço Educativo encerra, impedindo, deste modo, que muitas das famílias que, ali, se deslocam possam observar a participação dos seus filhos. É um objectivo educacional que não deve ser desprezado. A não ser que o convite feito às escolas não passe de uma estratégia de marketing!

7.6.08

Por uma escola de qualidade...

A qualidade da escola depende do grau de participação daqueles que a constituem. Não creio que este princípio possa ser facilmente contestado. No entanto, temo que uma série de pessoas pensem poder desenvolver os seus projectos pessoais à revelia da participação dos estudantes, dos professores e dos  funcionários...

Ontem, no Auditório 'Camões' decorreu a entrega de prémios do III Concurso Literário Camões. Evento da responsabilidade das professoras Lídia Teixeira e Paula Lopes, do Departamento de Românicas, e presidido pela Drª Isabel Ramos, foi com alguma emoção que assistimos aos passos trémulos, mas prometedores, de jovens criadores, apresentadores, leitores e músicos naquele palco cuja função deve, doravante, acolher iniciativas do mesmo cariz.

É, ainda, de saudar a iniciativa de editar e disponibilizar, de imediato, os textos dos concorrentes. Do índice de autores ressalta a ideia de que,  numa dúzia de turmas, houve forte adesão ao concurso.

Esperemos que as restantes turmas estejam presentes no próximo ano. Esperemos, também, que o IV Concurso Literário Camões seja um dos pilares das Comemorações dos 100 anos do edifício da Escola Secundária de Camões.

A Escola existe para os estudantes. Sem eles de pouco pode servir... E, também, eles necessitam de saber que, ali, entre aquelas paredes, houve outros como eles que sonharam mudar o mundo ou, pelo menos, torná-lo mais próximo...