Abexim me confesso

Nós todos, homens, que neste mundo vivemos opressos pelos vários desprezos dos felizes e pelas diversas insolências dos poderosos - que somos todos nós neste mundo, senão abexins?
Fernando Pessoa, Outubro 1935

19.4.18

Fumos...

Ontem, não choveu e a temperatura subiu... e como, noutras circunstâncias, fiquei mais cansado, respiração pesada, movimentos lentos, raciocínio confuso... Quando tal acontece, leio mais e escrevo menos...
Evito, assim, focar os olhos que se vão dispersando pelas páginas desnorteadas do Último Cabalista de Lisboa... prometeu, mas não vai dar conta daquela Lisboa manuelina, apesar da desumanidade...
Entretanto, Ela regressou por uns dias, atordoada pela assédio da tripulação da Ryanair: - "Nem rei nem lei..."

16.4.18

Fraude inteletual

Bem sei que a fraude é diariamente notícia porque o ser humano é insaciável... Poderia aqui enunciar as múltiplas expressões, mas o melhor é o leitor consultar a Arte de Furtar...
De momento, cinjo-me ao Programa de Português, 10º ano de escolaridade,  designadamente à lista de obras propostas no âmbito do Projeto de Leitura.
Pensar que um jovem de 15/16 anos está preparado para ler obras  como, por exemplo, Lazarilho de Tormes, As Cidades Invisíveis, A Divina Comédia, O Nome da Rosa, A Tábua de Flandres, A Eneida... é um disparate completo... em nome de um comparativismo primário habituado a procurar relações intertextuais ininteligíveis nestas idades...
Creio, no entanto, que casos há em que não se trata apenas de disparate. Por exemplo, é, para mim, incompreensível que O Último Cabalista de Lisboa, de Richard Zimler, surja como leitura para alunos de 15/16 anos. 
Apesar do contributo desta obra de ficção para a compreensão de um dos períodos mais negros da História de Portugal, só alguém que nunca tenha lido este romance é que se lembraria de fazer tal recomendação para leitores tão jovens... ou só alguém que, não tendo lido, cumpre uma agenda miserável.
Bem sei que há sempre o argumento de que ao professor compete contextualizar, ajustar... mas quem desenhou o Programa deveria saber que também o professor precisa de ler, de ter tempo para gerir... e esse tempo não está contemplado.
A consequência está à vista: o aluno não lê a obra, mas apresenta-a com recurso às baboseiras que a Internet lhe vai fornecendo... e, além disso, há sempre quem lhe bata palmas...

15.4.18

O monstro e o homem

"Estas não são as ações de um homem, são os crimes de um monstro" justificou Trump, referindo-se ao "alegado ataque químico" levado a cabo pelas forças de Bashar al-Assad em Douma... 
É verdade, Bashar al-Assad há muito que deveria ter sido afastado do poder, pois não há dúvida que se trata de um criminoso, mas não de um monstro, pois os monstros são representações psíquicas forjadas pela mente humana, em geral, para dar conta do medo que a tolhe...
Não foi por falta de ocasião, de meios ou por medo que o derrube do ditador Bashar al-Assad ainda não foi levado a cabo, mas sim por conveniência já antiga.
Ainda assim, se queremos aceitar que Bashar al-Assad é um monstro, então temos que reconhecer que não é único...
Creio, no entanto, que este tipo de ações não pode ser assacado a um qualquer monstro, por maior que o imaginemos, mas, sim ao homem, o único ser que é verdadeiramente exterminador.

14.4.18

A cura é um mau negócio

“Analistas do grupo financeiro Goldman Sachs tentaram abordar um assunto sensível para as empresas de biotecnologia, sobretudo as que estão envolvidas na terapia genética, um tratamento pioneiro: as curas de doenças podem ser más para os negócios no longo prazo”. Segundo a CNBC, os referidos analistas apresentaram um relatório, no dia 10 de abril, intitulado “A Revolução do Genoma”. Nesse relatório questionam: “Curar doentes é um modelo de negócio sustentável?”A cura é um mau negócio

Com a Goldman Sachs, o negócio está garantido. As empresas de biotecnologia que se cuidem, pois elas são um perigo ao investirem na terapia genética... 
Em Portugal, há muito que o financiamento da saúde é visto como um risco para a saúde do capital. O ministro das finanças português, mesmo que não venha a ser nomeado comissário europeu tem, desde já, garantido um lugar no grupo financeiro Goldman Sachs...

13.4.18

Georg(ina)

George, apesar da província lhe prometer um futuro seguro, parte para a cidade, lugar de cultura, de libertação individual e de consequente afirmação profissional, adotando um estilo de vida experimental e, de certo modo, inconstante... Não se pode, no entanto, dizer que seja "incapaz de assistir num só terreno!"
A rutura com o lugar de origem só não é total porque o regresso provocado pela vontade de se desfazer  da casa de família obriga George a problematizar a decisão de partir - a memória devolve-lhe não a família ou o lugar mas uma parte de si própria, Gi..., a primeira idade, impetuosa e definitiva...
A segunda idade, a da escolha de uma estratégia de afirmação profissional no mundo artístico e de precarização dos laços afetivos, significa para George que a liberdade e a felicidade estão ao alcance desde que o dinheiro não falte...
Só que a viagem interior despoletada pela memória acaba por confrontá-la com o futuro de uma passageira inesperada - Georgina. A Senhora velha que, amarga, lhe profetiza um desfecho solitário e angustiado...
Em resumo, Georgina de seu nome, Gi para a família e amigos, rompe com o conservadorismo da província portuguesa, estrangeirando-se (George) para poder inscrever o seu nome artístico na galeria daqueles que se libertaram da terra que os viu nascer... viajar sempre, mudar de cidade... até que...

( O enigma para mim é que entre ficar e partir, entre a rua e o comboio, parece haver uma vereda que uns tantos percorrem sem o saber. Ignorância não parece ser, vaidade também não - um caminho sem motivação. )

12.4.18

Desassombrado...

Se a leitura dos contos "A duquesa e o joalheiro" e "O Legado" não me oferecem qualquer dificuldade interpretativa, o mesmo não posso dizer de outros contos como, por exemplo, "A Casa Assombrada"... A ordem acaba por ser substituída por uma nova ordem - o judeu deixa-se mover pelo apelo libidinal; a leitura do diário (do legado) provoca a descoberta de que a vida levada era de mentira... e o suicídio um ato de coragem, de amor...
Em "A Casa Assombrada" um par de fantasmas, saído da tradição neorromântica, anda à procura. Do quê? De um tesouro enterrado... da alegria... do coração da casa... da luz no coração...
Através do "fluxo de consciência» dos fantasmas e da ironia autoral, Virginia Woolf... destrói a ideia de que a casa assombrada possa ser um lugar de terror... A casa fora um lugar de partilha, de amor que a morte interrompeu...
Neste último conto, Virginia Woolf questiona o imaginário do leitor, ridicularizando as suas espectativas.

11.4.18

Às arrecuas

Por alguma razão que não consigo descortinar, os passageiros preferiam ocupar o lado direito do topo da nave, bem longe da cabine de voo. Os ventos enovelavam-se sem, no entanto, se levantarem. Pareciam esperar uma clarificação da rota... até que, dos céus, surgiu uma voz apaziguadora que pôs cobro ao delírio...
Compete, assim, ao arquiteto redesenhar a nave e, enquanto tal não acontece, nós vamos, às arrecuas, definir o fio condutor que tem cimentado a nossa ação...
(...)
Depois, o problema foi de mangas e de efluentes... sem cravos mas com círios... e lesmas sabotadoras..